Production

2021

AZEREDO, V. D. Nietzsche e a aurora de uma nova ética. 2. ed. Curitiba: CRV, 2021. v. 1. 238 p.

AZEREDO, VÂNIA DUTRA DE. A presença e a ausência do costume na moralidade: uma leitura da Antígona de Sóflocles e da República de Platão a partir de Nietzsche. Cadernos Nietzsche, v. 42, p. 275-302, 2021.

2020

AZEREDO, V. D. A crise da razão e o advento da racionalidade técnica. Dissertatio, v. 51, p. 133-151, 2020.

AZEREDO, V. D. Michel Foucaut intérprete de Nietzsche. In: Azereo, V. D.; FREZZATTI, W. (Org.) Nietzsche e seus intépretes. Curitiba: CRV, 2020, p. 151-162.

AZEREDO, V. D. O que são ideais ascéticos? Dogville a imagem invertida. In: NETO, Mario; LIMA, Pedro; DIAS, Rosa. (Org.) Filosofias cinematográficas: Ressonâncias Nietzsche-Deleuze. Goiânia: Espaço Acadêmico, 2020, p. 202-215.

2019

AZEREDO, V. D.. O limite do discurso filosófico da Modernidade: o não-consciente em Nietzsche como advento da Contemporaneidade. Revista Enunciação, v. 4, p. 58-72-72, 2019.

2018

AZEREDO, V. D.. O que são ideais ascéticos: Dogville a imagem invertida. DISCURSO, v. 48, p. 177-187, 2018.

AZEREDO, V. D. Filosofia e ética do discurso: o fundacionismo moderado em ética. Conjectura: Filosofia e Educação (UCS), v. 23, p. 396-410, 2018.

2017

AZEREDO, V. D. Da questão filosófica à introdução de uma perspectiva: uma análise do problema do método em Husserl e Feyerabend. Cadernos Nietzsche, v. 38-2, p. 37-55, 2017.

AZEREDO, V. D. Entre l’éthique et la politique: la condition d’action chez Nietzsche. In: Céline Denat; Chiara Piazzesi. (Org.). Nietzsche, pensatore della politica, pensatore del sociale?. 1ed.Pisa: ETS, 2017, v. 1, p. 25-36.

AZEREDO, V. D. Da questão filosófica à introdução de uma perspectiva: uma análise do problema do método em Husserl e Feyerabend. Cadernos Nietzsche, v. 38-2, p. 37-55, 2017.

AZEREDO, V. D. Entre l’éthique et la politique: la condition d’action chez Nietzsche. In: Céline Denat; Chiara Piazzesi. (Org.). Nietzsche, pensatore della politica, pensatore del sociale?. 1ed.Pisa: ETS, 2017, v. 1, p. 25-36.

2016

AZEREDO, V. D. (Org.); FILORDE, A. (Org.)  Filosofia e Educação no Mundo Contemporâneo. São Paulo: Humanitas & Fapesp, 2016. v. 1. 342p.

AZEREDO, V. D. O problema do método. Filosofia (São Paulo), v. 1, p. 52-60-60, 2016.

AZEREDO, V. D. Filosofia dos Valores e Educação em Nietzsche. In: Alexandre Filordi de Carvalho e Vânia Dutra de Azeredo. (Org.). Filosofia e Educação no Mundo Contemporâneo. 1ed.São Paulo: Humanitas & Fapesp, 2016, v. 1, p. 197-214.

AZEREDO, V. D. Os livros publicados por Nietzsche – Genealogia da moral. Dicionário Nietzsche. 1ed.São Paulo: Loyola, 2016, v. 1, p. 69-74.

AZEREDO, V. D. O que é filosofia? In: HEUSER, E.; FREZZATTI, W.. (Org.). Textos para ensinar e aprender essa tal filosofia…. Cascavel: EDUNIOESTE, 2016, v. 1, p. 217-220.

AZEREDO, V. D. Ética. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 213-215.

AZEREDO, V. D. Eticidade do Costume. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 216-218.

AZEREDO, V. D. História. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 255-257.

AZEREDO, V. D. Genealogia. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 243-245.

AZEREDO, V. D. Imperativo. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 268-270.

AZEREDO, V. D. Interpretação. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 273-276.

AZEREDO, V. D. Luta. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 292-294.

AZEREDO, V. D. Má consciência. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 294 -296.

AZEREDO, V. D. Memória. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 298 -300.

AZEREDO, V. D. Moral. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 309-311.

AZEREDO, V. D. Moral dos Senhores e Moras dos Escravos. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 311- 314.

AZEREDO, V. D. Ressentimento. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 364 -366.

2014

AZEREDO, V. D. A metodologia de Foucault no trato dos textos nietzschianos. Cadernos Nietzsche, v. 35, p. 57-85, 2014.

AZEREDO, V. D. Considerações sobre o trabalho alienado em Marx. In: Aloísio Rudell; Luis Alles; Valdir Kin. (Org.). Filosofia e ética. 1ed.Ijuí: Unijuí, 2014, v. 1, p. 140-149.

AZEREDO, V. D. Le « monde vrai » et « l’eternel retour »: de l’instituition à la destitution de l’Idée. In: Wotling, Patrick; Denat, Céline. (Org.). Les hétérodoxies de Nietzsche lectures du Crépuscule des idoles. Reims: Épure, 2014, v. 1, p. 57-66.

AZEREDO, V. D. Il limite del discorso filosofico della Modernità: il non-consciente in Nietzsche come avvento della Contemporaneità. In: Busellato, Stefano. (Org.). Nietzsche dal Brasile: contributi alla ricerca contemporanea. Pisa: Edizioni ETS, 2014, v. 1, p. 94-111.

2013

AZEREDO, V. D. Nietzsche e a condição pós-moderna: a extemporaneidade de um discurso, São Paulo: Humanitas & FAPESP, 2013, 290 p.

AZEREDO, V. D. Foucault hermeneuta de Nietzsche. Filosofia (São Paulo), v. VII, p. 14-23, 2013.

2012

AZEREDO, V. D. (Org.); SILVA JUNIOR, I. (Org.). Nietzsche e a Interpretação. Paraná; São Paulo: CRV; Humanitas, 2012. v. 1. 376 p.

AZEREDO, V. D. Entre o silêncio e a palavra: a questão da leitura de Nietzsche e do estilo em Nietzsche. Estudos Nietzsche (Paraná), v. 3 n. 2, p. 227-245, 2012.

AZEREDO, V. D. Os juízos de valores e a educação. Educação (São Paulo), v. 2, p. 48-57, 2012.

AZEREDO, V. D. Lyotard e Nietzsche: a condição pós-moderna. Cadernos Nietzsche, v. 30, p. 29-42, 2012.

AZEREDO, V. D. David Harvey e Friedrich Nietzsche: pós-modernidade ou extemporaneidade. Philosophica (Lisboa), v. 39, p. 69, 2012.

AZEREDO, V. D. Nietzsche e a interpretação: do mundo ao texto. In: AZEREDO, V. D.; SILVA Jr., Ivo. (Org.). Nietzsche e a Interpretação. Paraná; São Paulo: CRV; Humanitas, 2012, v. 1, p. 169-184.

AZEREDO, V. D. A crítica de Nietzsche à modernidade: a filosofia como contradiscurso. In: CHITOLINA, C; PEREIRA, J; OLIVEIRA, L; BORDIN, R. (Org.). Estado, Indivíduo e Sociedade: problemas contemporâneos. JUNDIAÍ: PACO EDITORIAL, 2012, v. 1, p. 51-68.

2011

AZEREDO, V. D. Um senão diante da justificação ética: amor fati em Nietzsche. Dissertatio (UFPel), v. 33, p. 113-145, 2011.

AZEREDO, V. D. Perspectivismo e desenho: objetividade expressiva. Philósophos (UFG) (Cessou em 2000. Cont. ISSN 1982-2928 Revista Philósophos), v. 16, p. 367-386, 2011.

AZEREDO, V. D. Nietzsche e a interpretação: do mundo ao texto. In: Barrenechea, Miguel; Feitosa, Charles; Pinheiro, Paulo; Suarez, Rosana. (Org.). Nietzsche e as ciências. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2011, v. 1, p. 202-213.

AZEREDO, V. D. Nietzsche e a modernidade: ponto de virada. In: André Martins; Homero Santiago; Luís César Oliva. (Org.). As ilusões do eu: Spinoza e Nietzsche. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011, p. 203-226.

AZEREDO, V. D. As transmutações do espírito no Zaratustra de Nietzsche. In: Rosa Dias; Sabina Vanderlei; Tiago Barros. (Org.). Leituras de Zaratustra. Rio de Janeiro: Mauad; FAPERJ, 2011, p. 61-72.

2010

AZEREDO, V. D. Nietzsche e a modernidade: ponto de virada. Cadernos Nietzsche, v. 27, p. 143-168, 2010.

AZEREDO, V. D. Entre a ética e a política: a condição da ação em Nietzsche. Estudos Nietzsche, v. 1, p. 129-143, 2010.

AZEREDO, V. D. Filosofia dos Valores e Educação em Nietzsche. ETD: Educação Temática Digital, v. 12, p. 25-45, 2010.

2009

AZEREDO, V. D.  Nietzsche e a perspectiva de uma nova ética. Ethic@ (UFSC), v. 8, p. 85-101, 2009.

AZEREDO, V. D.  El Nacimento de la Tragedia en Nietzsche. Utopía y Praxis Latinoamericana, v. 14, p. 115-126, 2009.

AZEREDO, V. D.  Nietzsche e a aurora de uma nova ética. Veritas (Porto Alegre), v. 54, p. 197-203, 2009.

AZEREDO, V. D. Unversidade. In: Julio Groppa Aquino; Sandra Mara Corazza. (Org.). Abecedário: educação da diferença. Campinas: Papirus, 2009, p. 183-185.

AZEREDO, V. D. Devir. In: Julio Groppa Aquino; Sandra Mara Corazza. (Org.). Abecedário: educação da diferença. Campinas: Papirus, 2009, p. 52-54.

2008

AZEREDO, V. D. Nietzsche e a aurora de uma nova ética, São Paulo: Humanitas & FAPESP, 2008, 327 p.

AZEREDO, V. D. Mundo Verdade e eterno retorno: da instituição à destituição da ideia. Revista de Filosofia (PUCPR), v. 20, p. 221-225, 2008.

AZEREDO, V. D. ; SMILGYS, T. H. Decadência e Filosofia em Nietzsche. Humanidades em Revista, v. 6, p. 113-130, 2008.

AZEREDO, V. D. Nietzsche e os gregos. Hypnos (São Paulo), v. II, p. 273-287, 2008.

AZEREDO, V. D. O horizonte da eticidade em Nietzsche. Philosophica (Lisboa), v. 32, p. 149-166, 2008.

AZEREDO, V. D. (Org.). Nietzsche: Filosofia e Educação. Ijuí: Unijuí, 2008. v. 1. 196p.

AZEREDO, V. D. Eticidade do costume: a inscrição do social no homem. In: Antonio Edmilson Paschoal; Wilson Antonio Frezzatti Jr. (Org.). 120 anos de Para a Genealogia da Moral. Ijuí: Unijuí, 2008, p. 243-261.

AZEREDO, V. D. Das Vantagens e Desvantagens da História da Filosofia para o Ensino da Filosofia. In: Vânia Dutra de Azeredo. (Org.). Nietzsche: Filosofia e Educação. Ijuí: Unijuí, 2008, v. 1, p. 67-82

2007

AZEREDO, V. D. Eticidade do costume: a inscrição do social no homem. Dissertatio (UFPel), v. 25, p. 73-89, 2007.

AZEREDO, V. D. Nietzsche e a Interpretação. In: Beatriz Teixeira Webwer; Diorge Alceno Konrad. (Org.). Visões do Mundo Contemporâneo, Caminhos, Mitos e Muros. Santa Maria: Focos-UFSM, 2007, p. 38-45.

AZEREDO, V. D. A situação do agir em Nietzsche. In: POMMER, Arnildo; FRAGA, Denisar; SCHNEIDER, Paulo. (Org.). Filosofia e Crítica: Festschrift dos 50 anos do curso de Filosofia da Unijuí. Ijuí: Unijuí, 2007, v. 1, p. 517-528.

2006

AZEREDO, V. D. Os juízos de valor e a educação. Educação (São Paulo), v. 2, p. 48-57, 2006.

AZEREDO, V. D. Perspectivas de uma fundamentação pragmático-linguística. Veritas (Porto Alegre), v. 51, p. 112-120, 2006.

AZEREDO, V. D. A questão da liberdade em Nietzsche. In: Francisco Verardi Bocca. (Org.). Natureza e liberdade. Curitiba: Champagnat, 2006, v. 2, p. 133-140.

2005

AZEREDO, V. D. (Org.). Falando de Nietzsche. Ijuí: UNIJUÍ, 2005. 168p.

AZEREDO, V. D. O pathos afirmativo em Nietzsche. In: Vânia Dutra de Azeredo. (Org.). Falando de Nietzsche. Ijuí: Unijuí, 2005, p. 63-96.

2004

AZEREDO, V. D. (Org.). Caminhos Percorridos e Terras incógnitas. Ijuí: Unijuí, 2004, 175 p.

AZEREDO, V. D. (Org.). Introdução à lógica. 3ª. ed. Ijuí: Unijuí, 2004, 243 p.

AZEREDO, V. D. Do trágico ao ético: o pathos afirmativo em Nietzsche. Ethica (Rio de Janeiro), Rio de Janeiro, v. 11, n.1, p. 135-154, 2004.

AZEREDO, V. D. Eterno retorno do mesmo: círculo mundano de interpretações. In: Vânia Dutra de Azeredo. (Org.). Caminhos Percorridos e Terras incógnitas. Ijuí: Unijuí, 2004, v. 1, p. 63-95.

2003

AZEREDO, V. D. Nietzsche e a dissolução da moral, 2 ed., São Paulo: Discurso Editorial, 2003, 228 p.

AZEREDO, V. D. (Org.). Encontros Nietzsche. Ijuí: Unijuí, 2003, 191 p.

AZEREDO, V. D. Nietzsche e a dissolução da moral. Veritas (Porto Alegre), Porto Alegre, v. 48, n.2, p. 307-313, 2003.

AZEREDO, V. D. As transmutações do espírito. In: Vânia Dutra de Azeredo. (Org.). Encontros Nietzsche. Ijuí: Unijuí, 2003, v. 1, p. 71-87.

AZEREDO, V. D. Apresentação. In: Vânia Dutra de Azeredo. (Org.). Encontros Nietzsche. Ijuí: Unijuí, 2003, v. 1, p. 9-13.

AZEREDO, V. D. Entre o espírito e a condução instintual: a situação do agir em Nietzsche. In: Cláudio Boeira Garcia, Paulo Denisar Fraga, Vânia Lisa Cossetin. (Org.). Linguagem, Intersubjetividade e ação. Ijuí: Unijuí, 2003, p. 107-117.

2002

AZEREDO, V. D. A interpretação em Nietzsche: perspectivas instintuais. Cadernos Nietzsche, São Paulo, v. 12, p. 71-89, 2002.

2001

AZEREDO, V. D. Potência e superação: perspectivas da vontade. In: Charles Feitosa; Marco Antonio Casanova; Miguel Angel Barrenechea; Rosa Dias. (Org.). Assim falou Nietzsche III Por uma filosofia do futuro. Rio de Janeiro: 7 letras, 2001, v. I, p. 341-348.

2000

AZEREDO, V. D. (Org.). Introdução à Lógica. 2 ª. ed. Ijuí: UNIJUÍ, 2000, 243 p

1999

AZEREDO, V. D. O ideal ascético e a filosofia: confluências fisiológicas. Humanas (Londrina), Londrina, v. 1, p. 141-266, 1999.

1998

AZEREDO, V. D. Sobre a interpretação deleuziana de Nietzsche: intra-extratextualidade. Cadernos Nietzsche, São Paulo/SP, v. 5, p. 39-59, 1998.

1997

AZEREDO, V. D. Elementos para uma hermenêutica do pensamento moral de Nietzsche: a genealogia na avaliação da moralidade. Humanidades em Revista, Ijuí, v. III, n.4, p. 83-91, 1997.

AZEREDO, V. D. SARTORI, Carlos Augusto . Dedução. In: Vânia Dutra de Azeredo. (Org.). Introdução à Lógica. UNIJUÍ, 1997, v. 1, p. 51-96.

AZEREDO, V. D. Indução. In: Vânia Dutra de Azeredo. (Org.). Introdução à lógica. Ijuí: UNIJUÍ, 1997, p. 97-136.

AZEREDO, V. D. Implicaturas conversacionais. In: Vânia Dutra de Azeredo. (Org.). Introdução à lógica. Ijuí: UNIJUÍ, 1997, p. 143-166.

1996

AZEREDO, V. D. Ética e conhecimento. HUMANIDADES EM REVISTA, n.03, p. 65-86, 1996.

2021

Busellato, Stefano. Sujeitos a determinar. Curitiba: Kotter Editorial, 2021.

Busellato, Stefano. Nas origens da vontade de potência: Anaxágoras, Cadernos Nietzsche, v. 42/2, p. 105-124, 2021.

Busellato, Stefano. A interpretação nietzschiana de Pierre Hadot, Cadernos Nietzsche, v. 42/1, p. 253-274, 2021.

Busellato, Stefano. La lontananza sai? In: Marco Lucchesi. Vicino alla distanza. São Paulo: Tesseractum Editora, p. 1-11, 2021.

Busellato, Stefano (Trad.). Marco Lucchesi. Mal d’amore. São Paulo: Tesseractum Editora, 2021.

2020

Busellato, Stefano. Giorgio Colli e Mazzino Montinari intérprtes de Nietzsche. In: Vânia Dutra de Azaredo; Wilson Antonio Frezzatti Jr. (Org.). Nietzsche e seus intérpretes. Curitiba: Editora CRV, p. 139-150, 2021.

2019

Busellato, Stefano. Giorgio Colli e Mazzino Montinari intérprtes de Nietzsche. In: Vânia Dutra de Azaredo; Wilson Antonio Frezzatti Jr. (Org.). Nietzsche e seus intérpretes. Curitiba: Editora CRV, p. 139-150, 2021.

2018

Busellato, Stefano. Ecce Guri. Nietzsche nas autobiografias juvenis, Estudos Nietzsche, v.9/2, p. 112-124, 2018.

Busellato, Stefano. O conhecimento trágico: o Kant de Nietzsche entre Lange e Schopenhauer. In: Célia Machado Benvenho; José Francisco de Assis Dias; Libanio Cardoso (Org.). Ressonâncias filosóficas: Textos Seletos. Toledo: Editora Vivens, p. 85-116, 2018.

Busellato, Stefano. Um homicídio nietzschiano, Estudos Nietzsche, v.10/1, p. 134-144, 2018

2017

Busellato, Stefano. Zaratustra versus Parsifal, Cadernos Nietzsche, v. 38/1, p. 84-105, 2016.

2016

Busellato, Stefano. Campioni, Giuliano. Nietzsche e o espiríto latino. Cadernos Nietzsche, v. 37/3, p. 119-126, 2016.

Busellato, Stefano. Nietzsche e o ceticismo: o problema da verdade entre negação e necessidade. In: Célia Machado Benvenho; Gilmar Henrique de Conceição; José Francisco de Assis Dias; José Luiz Giombelli Mariani; Wilson Antonio Frezzatti Jr. (Org.). Ética e filosofia política. ceticismo em movimento. Toledo: Editora Vivens, p. 203-223.

2015

Busellato, Stefano. Schopenhauer lettore di Spinoza. Le chiose all’Etica. Macerata: Edizioni Università di Macerata, 2012.

Busellato, Stefano. Schubert e Zarathustra contro Wagner. In Paolo D’Iorio, Maria Cristina Fornari, Luca Lupo, Chiara Piazzesi (Org.). Prospettive. Omaggio a Giuliano Campioni. Pisa: ETS Edizioni, 2015.

2014

Busellato, Stefano (Org.). Nietzsche dal Brasile. Contributi alla ricerca contemporanea. Pisa: ETS Edizioni, 2014.

2013

Busellato, Stefano. Campioni Giuliano. Tra la Torre e i cammelli. Nietzsche a Pisa, Pisa: ETS Edizioni, 2013.

Busellato, Stefano. Colli interprete di Nietzsche. Cadernos Nietzsche, v. 33, p. 41-59, 2013.

2012

Busellato, Stefano. Nietzsche e lo scetticismo. Macerata: Edizioni Università di Macerata, 2012

Busellato, Stefano. Chi non muore. Udine: Campanotto Editore, 2012

Busellato, Stefano. Sogno e son desto. La teoria onirica schopenhaueriana. In Giuliano Campioni, Leonardo Pica Ciamarra; Marco Segala (Org.). Goethe Schopenhauer Nietzsche. Saggi in memoria di Sandro Barbera Pisa: Edizioni ETS, p. 69-85, 2012.

2011

Busellato, Stefano. Gottlob Ernst Schulze, Giornale Critico della Filosofia Italiana, v. 7/2, p. 187-191, 2011.

2010

Busellato, Stefano (Org.). Sandro Barbera. Guarigioni, rinascite, metamorfosi. Studi su Goethe, Schopenhauer, Nietzsche. Firenze: Le Lettere, 2010.

Busellato, Stefano. Che sì e no in capo mi tenciona. Riflessioni sul dubbio a partire da un’immagine dantesca. Pisa: Felici Editore, 2010.

2009

Busellato, Stefano. Nietzsche. Gli «Accademia» di Cicerone. Appunti preparatori alle lezioni universitarie 1870-71. Pisa: ETS Edizioni, 2009.

Busellato, Stefano. Angeli e Beati. Modelli di conoscenza da Tommaso a Spinoza. Giornale Critico della Filosofia Italiana, v. 5/1, p. 137-142, 2009.

Busellato, Stefano. La musica in Nietzsche prima di Wagner. Un’evidenza trascurata. Annali della Facoltà di Lettere e Filosofia dell’Università di Siena, v. 30, p. 189-209, 2009.

Busellato, Stefano. Nietzsche dopo la prima guerra mondiale. Giornale Critico della Filosofia Italiana, v. 5/3, 657-663, 2009.

Busellato, Stefano. Un altro Nietzsche. La lezione di Giorgio Colli. Anale Universitatii din Craiova, v.31, p. 99-118, 2009.

Busellato, Stefano. In varietate veritas. Il biologos poetico. In: Borgognini Silvana. Tredici lune. Pisa: Felici Editore, p. 7-18.

2004

Busellato, Stefano (Org.). Giorgio Colli. Ellenismo e Oltre. Einleitung. Pisa: ETS Edizioni, 2004.

Busellato, Stefano. Tutto è bene quel che finisce. Pisa: ETS Edizioni, 2004.

1999

Busellato, Stefano. Nietzsche e Bruno. Un incontro postumo. Con il carteggio completo fra Nietzsche e Heinrich von Stein (1882-1885). Pisa: ETS Edizioni, 1999.

2021

DIAS, G. Recepção da filosofia de Nietzsche na obra de Celso Furtado. In: Cadernos Nietzsche, v. 1, p. 145-172, 2021.

DIAS, G., & da SILVA JÚNIOR, I. “Metodologia para a Recepção Filosófica”. In: Eleuthería – Revista Do Curso De Filosofia Da UFMS, vol. 6, n.10, 255 – 270, 2021.

2020

DIAS, G. Recepção de Nietzsche no Nordeste brasileiro. Aufklärung: Revista de Filosofia, v. 7, p. 15-28, 2020.

DIAS, G. BINOCHE, Bertrand. Filosofia, história, genealogia. Guarulhos/Porto Seguro: Cadernos Nietzsche / Index e Qualis/Capes, 2020. (Tradução).

2018

DIAS, G. A longa história do encontro entre Nietzsche e D. Pedro II. Cadernos Nietzsche, v. 39, p. 247-270, 2018.

DIAS, G. Nietzsche, precursor da Ritmanálise? A recepção luso-brasileira do pensamento nietzschiano pelo Filósofo fantasma Lúcio Pinheiro dos Santos. Trágica: Estudos sobre Nietzsche, v. 11, p. 41-58, 2018.

2017

DIAS, G. A Filosofia de Nietzsche no Movimento Germanista do Recife e do Rio de Janeiro no Final do Séc. XIX e início do XX. Ágora Filosófica, v. 1, p. 13-30, 2017.

DIAS, G. BLONDEL, E. . Aurora: sob quais luzes desenvolver o trabalho em profundidade?. In Eduardo Nasser, Luís Rubira (org.). Nietzsche no século XXI. Porto Alegre: Zouk, 2017. (Tradução/capítulo de livro).

2015

DIAS, G. Entre renovadores e reacionários: a recepção estética e política da obra de Nietzsche na imprensa brasileira no período de 1893 a 1945. Cadernos Nietzsche, v. 36, p. 85-102, 2015.

DIAS, G. ARENAS-DOLZ, F. Alcance e Limites da recepção de Nietzsche no contexto acadêmico espanhol (1939-1975). In MARTON, Scarlett (org.). Nietzsche em chave hispânica. São Paulo: Edições Loyola, 2015.São Paulo: Loyola, 2015. (Tradução/capítulo de livro).

2014

DIAS, G. Aurora: uma obra de transição no conjunto dos escritos de Nietzsche. Cadernos Nietzsche, v. 1, p. 231-254, 2014.

DIAS, G. Primeiros discursos de recepção da filosofia de Nietzsche no Brasil publicados nos diários e periódicos nacionais (1900-1935). São Paulo: Editora Edgard Blücher. v. 1. p. 135-143.

DIAS, G. ““Nietzsche, intérprete do Brasil”? A recepção da filosofia nietzschiana na imprensa carioca e paulistana no final do século XIX e início do XX”. In: Cadernos Nietzsche, São Paulo, v. I, n. 35, p. 89-107, 2014.

DIAS, G. Aurora: uma virada metodológica na filosofia de Nietzsche. Revista seara Filosófica (Online), v. 9, p. 217-235, 2014.

2013

DIAS, G. BENOIT, B. Abordar o Versuch nietzschiano por um Versuch do leitor? Em direção a uma leitura “als Problem?” da obra de Nietzsche. São Paulo: Cadernos Nietzsche, 2013. (Tradução/Artigo).

2021

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. L’investigation physio-psychologique du problème de Socrate dans Crépuscule des idoles. In: DENAT, Céline; WOTLING, Patrick (org.). Nietzsche: Les textes de 1888. Reims: Épure, 2021. p. 307-322.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche contra Haeckel. Cadernos Nietzsche, v. 42, n.1, p. 303-328, 2021.

2020

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio (Tradução): RIBOT, Théodule. As doenças da personalidade. São Paulo: Editora Unifesp, 2020.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Apresentação: A função da psicologia em Théodule Ribot e Nietzsche. In: RIBOT, Théodule. As doenças da personalidade. Tradução: Wilson Antonio Frezzatti Jr. São Paulo: Editora Unifesp, 2020.

AZEREDO, Vânia Dutra de; FREZZATTI Jr., Wilson Antonio (org.). Nietzsche e seus intérpretes. Curitiba: CRV, 2020.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. O significado da teoria das forças no pensamento nietzschiano: a interpretação de Scarlett Marton In: AZEREDO, Vânia Dutra de; FREZZATTI Jr., Wilson Antonio (org.). Nietzsche e seus intérpretes. Curitiba: CRV, 2020. p. 163-175.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. La physiopsychologie de Nietzsche: le diagnostic et l’élévation de la culture In: WENAND, Isabelle; WOTLING, Patrick (org.). Die Frage der Medizin in Nietzsches Philosophie. Basel: Schwabe Verlag, 2020. p. 255-268.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche: Natureza e cultura In: FERRAGUTO, Federico (org.). Filosofia da Natureza: Vida, ordem, razão. Caxias do Sul: EDUCS, 2020. p. 221-243.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Pequena política e saúde: uma reflexão sob a perspectiva do ciclo cultural de Humano, demasiado humano. Estudos Nietzsche, v. 11, n. 2, p. 41-52, 2020.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A mecânica do desenvolvimento de Roux: A insuficiência da luta pela existência de Darwin. Revista Helius, v. 3, n. 2.2, p.744-788, 2020.

2019

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche e a psicofisiologia francesa do século XIX. São Paulo: Humanitas, 2019.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Antagonismes et ressemblances entre Zarathoustra et Socrate In: BERTOT, Clément; LECLERQ, Jean; MONSEU, Nicolas; WOTLING, Patrick (org.). Nietzsche, penseur de l’affirmation: Relecture d’Ainsi parlait Zarathoustra. Louvain: Presses universitaires de Louvain, 2019. p. 199-208.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A ciência na Genealogia da moral: a psicologia experimental de Ribot. Filosofia Unisinos, v. 20, n. 2, p. 165-174, 2019.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Entrevista: A trama conceitual antimetafísica de Nietzsche. IHU Revista do Instituto Humanitas Unisinos, n. 538, p. 8-11, 2019.

2018

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. As noções de história na II Consideração Extemporânea e em Humano, demasiado humano. Cadernos Nietzsche. , v. 39, n. 1, p. 9-30, 2018.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche leitor da Biologia do século XIX: Dominação vs. Nutrição e Reprodução. Estudos Nietzsche, v. 9, n. 2, p. 25-42, 2018.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A fisiopsicologia de Nietzsche: o diagnóstico e a elevação da cultura como tarefa do médico filosófico. Discurso, v. 48, n. 2, p. 187-199, 2018.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Resenha: Dictionnaire Nietzsche de Dorian Astor. Discurso, v. 48, n. 2, p. 207-210, 2018.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A crítica da metafísica em Nietzsche e Théodule Ribot. In: Benvenho, Célia M.; DIAS, José Francisco A.; CARDOSO, Libanio. Ressonâncias Filosóficas: textos seletos I. Toledo: Editora Vivens, 2018. p. 17-4.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche, um eugenista? Cult, n. 236, p. 38-40 julho 2018.

2017

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Le développement de la culture dans Humain, trop humain In: DENAT, Céline; WOTLING, Patrick (org.). Humain, trop humain et les débuts de la réforme de la philosophie. Reims: Épure, 2017. p. 179-196.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche e a ciência: um ensaio sob a perspectiva da relação entre ciência, metafísica e arte. Estudos Nietzsche, v. 8, n. 2, p. 102-115, 2017.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. O Sócrates de O nascimento da tragédia: o início e a transmutação da cultura teórica. Eleutheria, v. 2, n. 2, p. 114-124, 2017.

CORREIA, Adriano; FREZZATTI Jr., Wilson Antonio (org.). Nietzsche. São Paulo: ANPOF, 2017.

2016

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Le Socrate de La naissance de la tragédie: les premices et la transmutation de la culture théorique In: DENAT, Céline; WOTLING, Patrick (org.). Nietzsche. Les premiers texts sur les Gregs. Reims: EPURE, 2016. p. 405-416.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Crepúsculo dos ídolos. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 78-83.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Ciência. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 142-145.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Civilização. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 145-147.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Cultura. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 173-175.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Darwinismo. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 175-178.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Décadence. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 179-180.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Desenvolvimento. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 183-185.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Filisteu da Cultura. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 226-228.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Fisiopsicologia. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 236-238.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Instinto. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 271-273.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Progresso. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 345-348.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Sintoma. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 378-380.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Socratismo. In: GEN. Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. p. 382-384.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Pode o homem criar sua própria natureza? In: BATTISTI, César Augusto; GUIMARÃES, João Antônio Ferrer (org.). O saber e seus embates: Diálogos entre Ciência, Filosofia e Literatura. Porto Alegre: Sulina, 2016. p. 169-199.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Filosofia: Soluções ou problemas? In: HEUSER, Ester Maria Dreher; FREZZATTI Jr., Wilson Antonio (org.). Textos para ensinar e aprender essa tal filosofia. Cascavel: Edunioeste, 2016. p. 221-228.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Prefácio. In: MENEGHATTI, Douglas. Construção e superação das imagens de Sócrates em Nietzsche. Cascavel: Edunioeste, 2016.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Prefácio: Um convite à alegria. In: OLIVEIRA, Jelson; GUIMARÃES, Marcella Lopes. Diálogo sobre a alegria: Entre a filosofia e a história. Curitiba: PUCPRESS, 2016.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Entrevista. Diaphonía, v. 2, n. 1, p. 13-22, 2016.

2015

 FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Zweckmässigkeit (conformidade a fins) e mecanicismo nos processos vitais: o Antagonismo entre Kant e Roux In: FERRER, Diogo; UTTEICH, Luciano (org.). A Filosofia Transcendental e a sua crítica. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2015. p. 43-82.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. La superación de la metafísica en las psicologías de Nietzsche y de Théodule Ribot: algunas aproximaciones. Instantes y Azares: Escrituras Nietzscheanas, v. 15-16, p. 15-35, 2015.

CARVALHO, Marcelo; FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche. São Paulo: ANPOF, 2015.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Apresentação. In: SILVA, Alexandre Antonio Bruno da. Nietzsche: Justiça e Direito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

2014

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche contra Darwin: Segunda Edição ampliada e revista. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche e la scienza: la fisiopsicologia come critica alla metafisica In: BUSELLATO, Stefano (org.). Nietzsche dal Brasile: Contributi alla ricerca contemporanea. Pisa: Edizioni ETS, 2014. p. 185-200.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Consciência e inconsciente no discurso “Dos desprezadores do corpo” de Assim falava Zaratustra: uma perspectiva psicofisiológica da crítica nietzschiana ao sujeito In: MARTON, Scarlett; BRANCO, Maria João Mayer; CONSTÃNCIO, João (org.). Sujeito, décadence e arte: Nietzsche e a modernidade. Lisboa: Tinta da China, 2014. p. 61-97.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Verdade e Sociedade: algumas considerações sobre Nietzsche e Montaigne In: LIMA, Márcio José Silveira; ITAPARICA, André Luís Mota. Verdade e Linguagem em Nietzsche. Salvador: EDUFBA, 2014. p. 75-92.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Educação (Bildung) enquanto verniz: crítica ao Estado e psicofisiologia. Filosofia e Educação, v. 6, n. 1, p. 62-75, 2014.

2013

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Tabu de Alan Watts: algumas reflexões sob a perspectiva nietzschiana. In: CARVALHO, Ruy; COSTA, Gustavo; MOTA, Thiago (org.). Nietzsche-Schopenhauer: ecologia cinza, natureza agônica. Fortaleza: UECE; Apoena, 2013. p. 27-47.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche e Ribot: Multiplicidade e filosofia da subjetividade. Philósophos (UFG), v. 18, n. 2, p. 263-291, 2013.

2012

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. O ciclo vital da cultura em Nietzsche: superação contínua In: ZIMMERMANN, Rainer E.; SCHÜTZ, Rosalvo (org.). Crítica e utopia: perspectivas brasileiras e alemãs. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 75-90.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche e a Biologia: uma proposta de investigação In: AZEREDO, Vânia Dutra de; SILVA Jr., Ivo da (org.). Nietzsche e a interpretação. Curitiba/São Paulo: CRV/Humanitas, 2012. p. 177-194.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A recepção de Nietzsche na França: da Revue philosophique de la France et de l´ Étranger ao período entreguerras. Cadernos Nietzsche, v. 30, p. 59-99, 2012.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Eterno retorno: Batault (1904), ciência e transvaloração. Dissertatio (UFPel), v. 35, p. 249-265, 2012.

2011

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A crença no progresso: civilização e darwinismo como sintomas de decadência In: MARTINS, André; SANTIAGO, Homero; OLIVA, Luís César (org.). As ilusões do eu: Spinoza e Nietzsche. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011. p. 299-318.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A construção da oposição entre Lamarck e Darwin e a vinculação de Nietzsche ao eugenismo. Scientiae Studia, v. 9, n. 4, p. 791-820, 2011.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Prefácio. In: AGRA, Giscard Farias. A invenção da pré-história: a recente produção de um suposto passado remoto. São Paulo: Dracaena, 2011.

2010

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche: Crítica e superação da noção de sujeito In: BATTISTI, César Augusto (org.). Às voltas com a questão do sujeito: posições e perspectivas. Ijuí/Cascavel: UNIJUÍ/EDUNIOESTE, 2010. p. 219-240.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Os fragmentos póstumos sobre Darwin. Estudos Nietzsche, v. 1, n. 2, p. 403-419, 2010.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Antagonismos e aproximações entre Zaratustra e Sócrates. Estudos Nietzsche, v. 1, p. 61-72, 2010.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche e Théodule Ribot: Psicologia e superação da metafísica. Natureza Humana, v. 12, n. 2, p. 1-28, 2010.

2009

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A violência de Sócrates. Reflexão (PUCCAMP), v. 96, p. 105-116, 2009.

2008

PASCHOAL, Antonio. Edmilson; FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. 120 anos de Para a genealogia da moral. Ijuí: UNIJUÍ, 2008.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A pia fraus (mentira piedosa) sob a perspectiva da Genealogia da moral: vontade de potência e mito In: PASCHOAL, Antonio Edmilson; FREZZATTI Jr, Wilson Antonio (org.). 120 anos de Para a genealogia da moral. Ijuí: UNIJUÍ, 2008. p. 263-280.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Educação e cultura em Nietzsche: o duro caminho para « tornar-se o que se é » In: AZEREDO, Vânia Dutra de (org.) Nietzsche: Filosofia e educação. Ijuí: Unijuí, 2008. p. 39-66.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. O problema de Sócrates: um exemplo da fisiopsicologia de Nietzsche. Revista de Filosofia Aurora, v. 20, p. 303-320, 2008.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche: crítica e superação da noção de sujeito. Crítica (UEL), v. 13, n. 38, p. 185-203, 2008.

2007

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A relação entre Filosofia e Biologia na Alemanha do século XIX: a interpretação nietzschiana da seleção natural de Darwin a partir das teorias neolamarckistas alemãs. Filosofia e História da Biologia, v. 2, p. 457-465, 2007.

2006

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A fisiologia de Nietzsche: a superação da dualidade cultura/biologia. IJUÍ: unijuí, 2006.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A psicologia de Nietzsche: afirmação e negação da vida como sintomas de saúde e doença. In: SOUZA, Eliane C. de; CRAIA, Eládio C. P. (org.) Ressonâncias filosóficas: entre o pensamento e ação. Cascavel: EDUNIOESTE, 2006. p. 65-83.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Diálogos impossíveis acerca do conhecimento In: BATTISTI, César Augusto; FREZZATTI Jr., Wilson Antonio (org.). Conhecimento: fundamentação, estatuto e possibilidade. Cascavel: EDUNIOESTE, 2006. p. 131-150.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Renascimento: a utilidade da história para a vida? In: PORTELA, Luís César Y.; AMES, José Luiz (org.). Percursos na história da filosofia. Cascavel: EDUNIOSTE, 2006. p. 75-102.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. O valor de um caracol ou o nobre nietzschiano: um elogio a Cálicles? Cadernos Nietzsche, v. 21, p. 29-46, 2006.

2005

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche: a dissolução da dualidade cultura/biologia In: AZEREDO, Vânia Dutra de (org.). Falando de Nietzsche. Ijuí: Unijuí, 2005. p. 55-66.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. O conhecimento: um processo demasiado humano. Temas & Matizes, v. 4, n. 8, p. 57-62, 2005.

2004

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Equívocos a respeito de Nietzsche: o darwinismo, a eugenia e a democracia pós-moderna. Ethica, v. 11, p. 221-237, 2004.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. A superação da dualidade cultura/biologia na filosofia de Nietzsche. Tempo da Ciência, v. 11, n. 22, p. 115-135, 2004.

2003

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche: Voltaire contra Rousseau In: AZEREDO, Vânia Dutra de (org.). Encontros Nietzsche. Ijuí: UNIJUÍ, 2003. p. 121-134.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Haeckel e Nietzsche: aspectos da crítica ao mecanicismo no século XIX. Scientiae Studia, v. 1, n. 4, p. 435-461, 2003.

2001

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche contra Darwin. São Paulo: Discurso Editorial – Editora UNIJUÍ, 2001.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. El falso darwinismo de Nietzsche: entre la eugenesia y la democracia In: JORNADAS DE PENSAMIENTO CONTEMPORÁNEO. El Poder en la sociedad posmoderna. Buenos Aires: CaRol-Go, 2001. p. 301-324.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Como viver no deserto sem transformar em deserto a própria vida. Cadernos Nietzsche, v. 10, p. 3-10, 2001.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. Nietzsche e Darwin: o desenvolvimento da moral. Revista de Filosofia Aurora PUC-PR, v. 12, p. 55-60, 2001.

FREZZATTI Jr., Wilson Antonio. O niilismo de Maupassant. Temas & Matizes, v. 2, p. 16- 19, 2001.

2021

GONÇALVES, ALEXANDER. Comentário a “O Conceito Inicial De Nietzsche Sobre Cultura’. TRANS/FORM/AÇÃO (UNESP. MARÍLIA. IMPRESSO). , v.44, p.251 – 254, 2021.

2019

GONÇALVES, ALEXANDER. O filósofo e a cultura: a filosofia entre a ciência e a arte. CADERNOS NIETZSCHE. , v.40, p.124 – 144, 2019.

2018

GONÇALVES, ALEXANDER. Escrever o que se é: considerações de Nietzsche sobre linguagem e estilo. ESTUDOS NIETZSCHE. , v.9, p.43 – 55, 2018.

MELO, S. C. C. S.; SILVA, F. T. R.; ELIAS, R. G. M.; SANTOS, J. R. O.; GONÇALVES, A.

AS AÇÕES DE EXTENSÃO E CULTURA NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE DO PARANÁ, 2014 A 2017. Cidadania em Ação. , v.2, p.1 – , 2018.

2017

GONÇALVES, ALEXANDER. O trágico como estilo artístico e experiência do vir-a-ser. In: Adriano Correia, Wilson Frezzatti Jr. (Org.). Nietzsche. 1ed.São Paulo: ANPOF, 2017, v. , p. 91-100.

GONÇALVES, ALEXANDER; SOUZA, ANTÔNIO CARLOS DE. O jovem Nietzsche e as instituições de formação alemãs. ESPAÇO PEDAGÓGICO. , v.24, p.533 – 551, 2017.

GONÇALVES, ALEXANDER. DIAS, Rosa. Páginas da arte, páginas da vida. (Rio de Janeiro, Mauad X, 2016).. CADERNOS NIETZSCHE. , v.38, p.185 – 188, 2017.

2011

GONÇALVES, ALEXANDER. Linguagem e psico-fisiologia na filosofia de Nietzsche. Trágica: Estudos sobre Nietzsche. , v.3, p.1 – 15, 2011.

2009

GONÇALVES, ALEXANDER. Por uma compreensão ontológica do claro e distinto nas Meditações cartesianas. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences (Impresso) (Cessou em 2007. Cont. ISSN 1983-4675 Acta Scientiarum. Language and Culture (Impresso)). , v.31, p.177 – 185, 2009.

2006

GONÇALVES, ALEXANDER. O fim da arte pensado a partir do conceito de. REVISTA URUTÁGUA (ONLINE). , v.09, p.009 – 09, 2006.

2021

ITAPARICA, André. As teorias dos impulsos de Nietzsche e Freud. Cadernos Nietzsche, v. 42, p. 15- 30, 2021.

2020

ITAPARICA, André. Filosofia, literatura e vida: o esteticismo em Nietzsche e Nehamas. In: Vânia Dutra Azeredo; Wilson Frezzatti Jr.. (Org.). Nietzsche e seus intérpretes. Curitiba: CRV, 2020, v. 1, p. 21-31.

ITAPARICA, André. Posfácio. In: Friedrich Nietzsche. O nascimento da tragédia. Tradução: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2020, v. 1, p. 163-172.

ITAPARICA, André. Nietzsche, precursor da democracia agonística?. In: Waldomiro J. Silva Filho. (Org.). Porque a filosofia interessa à democracia. 1ed.Salvador: Editora da UFBA, 2020, v. 1, p. 287-300.

2019

ITAPARICA, André. Idealismo e Realismo na Filosofia de Nietzsche. São Paulo: Editora Unifesp, 2019. v. 1. 180p.

ITAPARICA, André. A arte na ‘gaia ciência’ de Nietzsche. Estudos Nietzsche, v. 10, p. 28-39, 2019.

2018

ITAPARICA, André. A genealogia como programa de pesquisa naturalista. Discurso, v. 48, p. 25, 2018.

ITAPARICA, André. Tradução e apresentação a « A origem dos sentimentos morais » (Com Clademir Araldi). In: Paul Rée. (Org.). A origem dos sentimentos morais. 1ed.São Paulo: Unifesp, 2018, v. 1, p. 7-39.

ITAPARICA, André. Da crítica da democracia liberal à defesa da democracia agonística. Revista Cult, São Paulo, v. 236, p. 34 – 37, 01 jul. 2018.

2017

ITAPARICA, André. Nietzsche and the Thing in Itself. In: Brusotti, Marco; Siemens, Herman.. (Org.). Nietzsche, Kant and the Problem of Metaphysics. 1ed.Londres: Bloomsbury, 2017, v. 1, p. 139-152.

ITAPARICA, André. Introdução e tradução à Sobre a utilidade e a desvantagem da história para a vida. In: Friedrich Nietzsche. (Org.). Sobre a utilidade e a desvantagem da história para a vida. 1ed.São Paulo: Hedra, 2017, v. 1, p. 9-25.

2016

ITAPARICA, André. Ecce Homo: Como tornar-se o que se é. In: Grupo de Estudos Nietzsche. (Org.). Dicionário Nietzsche. 1ed.São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 88-93.

2015

ITAPARICA, André. Crença e conhecimento em Nietzsche. Cadernos Nietzsche, v. 36, p. 217, 2015.

2014

ITAPARICA, André. Verdade e linguagem em Nietzsche. (Com Márcio Jose Silva Lima). Salvador: Edufba, 2014. v. 1. 159p.

ITAPARICA, André. Nietzsche: crítica à metafísica como crítica à linguagem. In: Lima, M. J. S. ; Itaparica, A. L. M.. (Org.). Verdade e linguagem em Nietzsche. Salvador: Edufba, 2014, v. 1, p. 105-119.

ITAPARICA, André. Crítica da modernidade e conceito de subjetividade em Nietzsche. In: Marton, Scarlett; Branco, Maria João Mayer; Constâncio, João. (Org.). Sujeito, decadência e arte: Nietzsche e a modernidade. Lisboa: Tinta da China, 2014, v. 1, p. 39-60.

ITAPARICA, André. Lange e la lettura nietzschiana di Kant. Sullo statuto della cosa in sé e della volontà di potenza nella filosofia di Nietzsche. In: Busellato, Stefano. (Org.). Nietzsche dal Brasile. Contributi alla ricerca contemporânea. Pisa: EDIZIONI ETS, 2014, v. 1, p. 75-92.

2013

ITAPARICA, André. Nietzsche e Paul Rée: o projeto de naturalização da moral em Humano, demasiado humano. Dissertatio (UFPel), v. 38, p. 57, 2013.

ITAPARICA, André. As objeções de Nietzsche ao conceito de coisa em si. Kriterion, v. 54, p. 307-320, 2013.

ITAPARICA, André. Amor Fati: Fatalismo e liberdade em Nietzsche. In: Marcelo Carvalho, Vinícius Figueiredo. (Org.). Filosofia Alemã: De Marx a Nietzsche. São Paulo: Anpof, 2013, v. 1, p. 35-46.

2012

ITAPARICA, André. Sobre a gênese da consciência moral em Nietzsche e Freud. Cadernos Nietzsche, v. 30, p. 13-32, 2012.

ITAPARICA, André. Relativismo e circularidade: a vontade de potência como interpretação. In: Azeredo, V. D.; Silva Júnior, I.. (Org.). Nietzsche e a interpretação. 1ed.Curitiba/São Paulo: Editora CRV/Humanitas, 2012, v. 1, p. 81-90.

2011

ITAPARICA, André. Crítica à modernidade e conceito de subjetividade em Nietzsche. Estudos Nietzsche, v. 2, p. 59, 2011.

ITAPARICA, André. Darwin e Nietzsche: Natureza e moralidade. In: Barrenechea, Miguel Angel de; Feitosa, Charles; Pinheiro, Paulo; Suarez, Suzana.. (Org.). Nietzsche e as ciências. Rio de Janeiro: 7Letras, 2011, v. 1, p. 60-70.

2010

ITAPARICA, André. Relativismo e circularidade: a vontade de potência como interpretação. Cadernos Nietzsche, v. 27, p. 239-255, 2010.

2008

ITAPARICA, André. Notas sobre a naturalização da moral. In: Paschoal, Antônio Edmilson; Frezzatti Jr. Wilson Antônio. (Org.). 120 Anos de Parar a Genealogia da Moral. Ijuí: Unijuí, 2008, p. 29-46.

2007

ITAPARICA, André. Larrosa,Jorge. Nietzsche e a eduação.. (Resenha). Aprender (Vitória da Conquista), v. 7, p. 213-216, 2007.

ITAPARICA, André. O « gênio da espécie »: consciência e conhecimento em Nietzsche. In: SALLES, João Carlos.. (Org.). Pesquisa e Filosofia, Salvador, Editora Quarteto, Coleção Ensaios de Filosofia Contemporânea, 2007., 2007, v. , p. 61-72.

2005

ITAPARICA, André. Nietzsche e o sentido histórico. Cadernos Nietzsche, São Paulo, v. 19, p. 79-100, 2005.

ITAPARICA, André. « O gênio da espécie »: Consciência e conhecimento em Nietzsche. Temas & Matizes, v. IV/08, p. 5- 14, 2005.

ITAPARICA, André. Nietzsche e a “necessidade não-racional”. In: Azeredo, Vânia Dutra de.. (Org.). Falando de Nietzsche. Ijuí: Unijuí, 2005, v. , p. -.

2004

ITAPARICA, André. A crítica nietzschiana à democracia. Ethica (Rio de Janeiro), Rio de Janeiro, v. 11, n.1, p. 187-198, 2004.

ITAPARICA, André. Schopenhauer, Nietzsche e o “ponto de vista do ideal”. In: João Carlos Salles. (Org.). Schopenhauer & o idealismo alemão. Salvador: Quarteto, 2004, v. 1, p. 23-34.

ITAPARICA, André. O novo infinito: perspectivismo e interpretação. In: Vânia Dutra de Azeredo. (Org.). Caminhos percorridos e terras incógnitas – Encontros Nietzsche. Ijuí: Unijuí, 2004.

2003

ITAPARICA, André. Nietzsche e Boscovich: dinamismo e vontade de potência. In: Vânia Dutra de Azeredo. (Org.). Encontros Nietzsche. Ijuí: Editora UNIJUÍ, 2003, v. 1, p. 9-191.

2001

ITAPARICA, André. Nietzsche: Estilo e moral. São Paulo/Ijuí: Discurso Editorial/Editora da UNIJUÍ, 2001. v. 1. 124p.

2000

ITAPARICA, André. Nietzsche e a « superficialidade » de Descartes. Cadernos Nietzsche, São Paulo, v. 9, 2000.

ITAPARICA, André. Filosofía, literatura, deconstrucción. Ideas y Valores, Bogotá, v. 114, p. 109-118, 2000.

1998

ITAPARICA, André. Filosofia, literatura, desconstrução. Cadernos Nietzsche, v. 5, p. 61-74, 1998.

2021

LIMA, Márcio J. S. Nietzsche, Debussy e o sul da música: esboços de uma cartossonografia. CADERNOS NIETZSCHE, v. 42, p. 209-229, 2021.

2020

LIMA, Márcio J. S. Democracia sem teleologia. In: Bougleux Bomjardim da Silva Carmo. (Org.). Estado e sociedade sob olhares in(ter)disciplinares: experiências e perspectivas territoriais no Sul da Bahia. São paulo: Pimenta Cultural, 2020.

LIMA, Márcio J. S. Peter Sloterdijk e o protagonismo de Apolo na tragédia de Nietzsche. In: Vânia Dutra de Azeredo; Wilson Antonio Frezzatti Jr. (Org.). Nietzsche e seus intérpretes. Cuririba/ São Paulo: CRV/Humanitas, 2020.

LIMA, Márcio J. S. Nietzsche e Chantal Mouffe: sobre democracia e sociedade. In: Ana Carneiro; Rafael Andrés Patiño; Valéria Giannella; Likem Edson Silva de Jesus; Ykaro da Cruz Pereira. (Org.). Estado e Sociedade sob Olhares Interdisciplinares. Salvador: EDUFBA, 2020.

2019

LIMA, Márcio J. S. Discussões éticas contemporâneas: perspectivas literárias e filosóficas. In: Elton Moreira Quadros; Halysson Dias Santos. (Org.). Do belo ao ético: diálogos a partir da filosofia, da arte e da literatura. 1ed.Salvador-BA: Eduneb, 2019.

2018

LIMA, Márcio J. S. As artes de Proteu: perspectivismo e verdade em Nietzsche. São Paulo/Curitiba: Humanitas/CRV, 2018.

LIMA, Márcio J. S. Nietzsche e Villa-Lobos: da música dionisíaca à canção folclórica.. DISCURSO, v. 48, p. 155-175, 2018.

LIMA, Márcio J. S. Percursos de Dioniso e Zaratustra: Nietzsche crítico de si mesmo. ESTUDOS NIETZSCHE, v. 9, p. 67-77, 2018.

2017

LIMA, Márcio J. S. Música e temporalidade em Nietzsche. In: Adriano Correia; Wilson Frezzatti Jr.. (Org.). Nietzsche. Anpof, 2017

LIMA, Márcio J.S. Canção popular e música dionisíaca em Nietzsche. CADERNOS NIETZSCHE, v. 38, p. 58-83, 2017.

LIMA, Márcio J. S. Filosofia e interdisciplinaridade. PRÓ-POSIÇÕES (UNICAMP. ONLINE), v. 28, p. 125-140, 2017.

2016

LIMA, Márcio J. S. O nascimento da tragédia. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 38-42.

LIMA, Márcio J. S. Alma. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 107-109.

LIMA, Márcio J. S. Aparência. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 115-118.

LIMA, Márcio J. S. Arte. In: Grupo de Estudos Nietzsche. (Org.). Dicionário Nietzsche. 1ed.São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 122-124.

LIMA, Márcio J. S. Conceito. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. 1ed.São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 149-151.

LIMA, Márcio J. S.  Eu. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. 1ed.São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 219-220.

LIMA, Márcio J. S. Filósofos do futuro. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 233-234.

LIMA, Márcio J. S. Ilusão. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 264-266.

LIMA, Márcio J. S. Mentira. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 300-302.

LIMA, Márcio J. S. Metáfora. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 304-306.

LIMA, Márcio J. S. Razão. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 352-354.

LIMA, Márcio J. S. Verdade. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 408-422.

LIMA, Márcio J. S. Apolíneo. In: Grupo de Estudos Nietzsche – GEN. (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, v. 1, p. 118-120.

2015

LIMA, Márcio J. S. O que Nietzsche deve aos antigos. In: Marcelo Carvalho & Wilson Antonio Frezzatti Jr. (Org.). Nietzsche. São Paulo: ANPOF, 2015, v. 1, p. 443-456.

2014

LIMA, Márcio J. S.; ITAPARICA, A. L. M. (Org.). Verdade e linguagem em Nietzsche. Salvador: Edufba, 2014.

LIMA, Márcio J. S. Lógica e retórica no jovem Nietzsche. In: Márcio José Silveira Lima; André Luís Mota Itaparica. (Org.). Verdade e linguagem em Nietzsche. 1ed.Salvador: Edufba, 2014, v. 1, p. 121-134.

LIMA, Márcio J. S.  Ciò che Nietzsche deve agli antichi. In: Stefano Busellato. (Org.). Nietzsche dal Brasile Contributi alla ricerca contemporanea. 1ed.Pisa: EDIZIONI ETS, 2014, v. 1, p. 131-145.

2013

LIMA, Márcio J. S. Nietzsche e a linguagem: algumas considerações sobre retórica, lógica e interpretação. In: Marcelo Carvalho; Vinicius Figueiredo. (Org.). Filosofia alemã: de Marx a Nietzsche. São Paulo: ANPOF, 2013, v. 1, p. 137-147.

LIMA, Márcio J.S. Funções regulativas em Kant e Nietzsche. Kriterion (UFMG. Impresso), v. 54, p. 367-382, 2013.

2012

LIMA, Márcio J. S. Nietzsche e a história: o problema da objetividade e do sentido histórico. Cadernos Nietzsche, v. 30, p. 159-181, 2012.

2010

LIMA, Márcio J. S. O caráter vulgar da linguagem segundo Nietzsche. Trágica: Estudos sobre Nietzsche, v. 3, p. 28-38, 2010.

2008

 LIMA, Márcio J. S. Em torno do gosto musical. Cadernos Nietzsche, v. 24, p. 59-85, 2008.

2006

LIMA, Márcio J. S. As máscaras de Dioniso: filosofia e tragédia em Nietzsche. Unijuí/São Paulo: Editora Unijuí/Discurso, 2006.

2021

MARTON, Scarlett. Les ambivalences de Nietzsche. Types, images et figures féminines. Paris: Éditions de la Sorbonne, 2021.

MARTON, Scarlett. La philologie au service de la critique des valeurs dans l’Antéchrist. In: WOTLING, Patrick; DENAT, Céline (orgs.). Nietzsche. Les textes de 1888. Reims: Épure, 2021, p. 276-286.

MARTON, Scarlett. “Se ha de armar siempre a los fuertes contra los débiles”. La crítica de Nietzsche a la democracia. Araucaria. Revista Iberoamericana de Filosofía, v. 23, n. 46, p. 307-326, primer cuatrimestre de 2001.

2020

MARTON, Scarlett. « Je fis de ma volonté de santé, de vie, ma philosophie… » Nietzsche et le problème de la médecine dans Ecce homo. In: WIENAND, Isabelle; WOTLING, Patrick (orgs.). Die Frage der Medizin in Nietzsches Philosophie / La question de la médecine dans la philosophie de Nietzsche. Basel: Schwabe Verlag, 2020, p. 153-167.

MARTON, Scarlett. Prefácio. In: NIETZSCHE. À Melancolia. Porto Alegre: Spleen Editora, 2020, p. 14-18.

MARTON, Scarlett. Nietzsche: da genealogia à transvaloração dos valores. Aufklärung. Revista de Filosofia, v. 7, p. 97-108, 2020.

MARTON, Scarlett. Nietzsche: edições, traduções e deturpações. Cadernos de Tradução LelPrat., v. 1, p. 41-61, 2020.

2019

MARTON, Scarlett. De Foucault à Nietzsche: pluralité d’interprétations et importance des critères. In: TINLAND, Olivier; STELLINO, Paolo (orgs.). Nietzsche et le relativisme. Bruxelas: Ousia, 2019, p. 203-225.

MARTON, Scarlett. L’éternel retour du même, « cette formule suprême de l’affirmation la plus haute qui puisse être atteinte ». In: BERTOT, Clément; LECLERCQ, Jean; MONSEU, Nicolas; WOTLING, Patrick (orgs.).   Nietzsche, penseur de l’affirmation. Relecture d’Ainsi parlait Zarathoustra. Louvain: Presses Universitaires de Louvain, 2019, p. 219-242.

MARTON, Scarlett. Brief an Nietzsche In: SCHENKEL, Elmar: HAMOUDA, Faiçal (orgs.). 101 Briefe an Friedrich Nietzsche. Leipzig: Hamouda Verlag, 2019, p. 15-18.

MARTON, Scarlett. Nietzsche: questões estéticas. In: HERMANN, Nadja; RAJOBAC, Raimundo (orgs.).  A questão do estético: ensaios. Porto Alegre: Edipucrs, 2019, p. 47-68.

MARTON, Scarlett. Prefácio. In: ITAPARICA, André Luís Mota. Idealismo e Realismo na Filosofia de Nietzsche. São Paulo: Editora Unifesp, 2019, p. 7-10.

MARTON, Scarlett. Au Brésil, Nietzsche résiste. Magazine Littéraire, n. 16, p. 92-93., avril 2019.

MARTON, Scarlett. Zaratustra: do fracasso pedagógico ao aprendizado por vivência. Enunciação, v. 4, p. 1-12, 2019.

MARTON, Scarlett. A propósito da frase de Nietzsche “um pensamento vem quando ‘ele’ quer…”. Boletim Formação em Psicanálise, v. 27, p.93-102, 2019.

2018

MARTON, Scarlett. Para leer a Nietzsche como nietzschiano. Estudios Nietzsche, v. 18, p. 63-71, 2018.

MARTON, Scarlett. “Fiz da minha vontade de saúde, de vida, minha filosofia…” Nietzsche e o problema da medicina em Ecce Homo. Kriterion, v. 141, p. 891–904, 2018.

MARTON, Scarlett. Friedrich Nietzsche. Obras completas, fragmentos póstumos, correspondência. Discurso, v. 48, p. 201-202, 2018.

MARTON, Scarlett. Ler Nietzsche como nietzschiano. Questões de método, Discurso, v. 48, p. 7-24, 2018.

MARTON, Scarlett. Nietzsche. Pensador misógino? Cult, v. 236, p. 26-29, julho 2018.

MARTON, Scarlett. O ressentimento como artifício do ódio e da vingança. Revista IHU. Unisinos, n. 529, p. 32-36, 2018.

2017

MARTON, Scarlett. Nietzsche y la nueva concepción del mundo. Córdoba: Editorial Brujas, 2017 .

MARTON, Scarlett. Nietzsche et la condition des femmes: une analyse des configurations du féminin dans Humain, trop humain. In: WOTLING, Patrick; DENAT, Céline (orgs.). Humain, trop humain et les débuts de la réforme de la philosophie. Reims: Épure, 2017, p. 435-464.

MARTON, Scarlett. GEN – Grupo de Estudos Nietzsche. In: NASSER, Eduardo; RUBIRA, Luís (orgs). Nietzsche no século XXI. Porto Alegre: Zouk, 2017, p. 11-16.

MARTON, Scarlett. “A nova concepção do mundo”: vontade de potência, pluralidade de forças, eterno retorno do mesmo. Ágora Filosófica, v. 1, p. 127-141, 2017.

MARTON, Scarlett. Ainsi parlait Zarathoustra. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 6-11.

MARTON, Scarlett. Connaissance. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 150-156.

MARTON, Scarlett. Conscience. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 156-160.

MARTON, Scarlett. Deleuze. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 228-231.

MARTON, Scarlett. Foucault. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 343-346.

MARTON, Scarlett. Langage. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 527-533.

MARTON, Scarlett. Müller-Lauter. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 600-602.

MARTON, Scarlett. Pascal. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 674-675.

MARTON, Scarlett. Physiologie. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 714-715.

MARTON, Scarlett. Postmodernité. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 727-729.

MARTON, Scarlett. Vérité. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 917-922.

MARTON, Scarlett. Vie. In: Dictionnaire Nietzsche. Paris: Éditions Robert Laffont, 2017, p. 928-933.

2016

MARTON, Scarlett. L’éternel retour du même, le temps et l’histoire. In: BINOCHE, Bertrand; SOROSINA, Arnaud (orgs.). Les historicités de Nietzsche. Paris: Éditions de la Sorbonne, 2016, p. 105-125.

MARTON, Scarlett. La naissance de la tragédie: du dépassement des contraires à la philosophie des antagonismes. In: WOTLING, Patrick; DENAT, Céline (orgs.). Nietzsche. Les premiers textes sur les Grecs. Reims: Épure, 2016, p. 171-186.

MARTON, Scarlett. Assim falava Zaratustra. Um livro para todos e ninguém. In: GEN (org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 59-64.

MARTON, Scarlett. Friedrich Nietzsche: a celebração da vida. In: SANTOS, Mário Vitor (org.). Pensadores. Santos: Realejo Livros, 2016, p. 262-279.

MARTON, Scarlett. Nietzsche, vida e obra. In: GEN (org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 25-36.

MARTON, Scarlett. Apresentação à edição brasileira. In: CAMPIONI, Giuliano. Nietzsche e o espírito latino. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 19-22.

MARTON, Scarlett. El eterno retorno de lo mismo, “el pensamiento fundamental de Zaratustra”. Estudios Nietzsche, v. 16, p.129-150, 2016.

MARTON, Scarlett. International Nietzsche Research Group in Brazil: GEN-Nietzsche Studies Group. Journal of Nietzsche Studies, v. 47, p. 479-487, 2016.

MARTON, Scarlett. “Majestätische sittliche Gebäude”.  La critique de Nietzsche à la doctrine morale kantienne. Nietzsche-Studien, v. 45, p. 33-55, 2016.

MARTON, Scarlett. O eterno retorno do mesmo, “a concepção básica de Zaratustra”. Cadernos Nietzsche, v. 37, n. 2, p. 11-46., 2016.

MARTON, Scarlett. Assim falava Zaratustra. Um livro para todos e para ninguém. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 59-64.

MARTON, Scarlett. Consciência. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 154-156.

MARTON, Scarlett. Dionisíaco. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 188-190.

MARTON, Scarlett. Espírito de peso. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 202-203.

MARTON, Scarlett. Força. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 238-240.

MARTON, Scarlett. Linguagem. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 285-288.

MARTON, Scarlett. Metafísica. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 302-304.

MARTON, Scarlett. Psicologia. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 348-350.

MARTON, Scarlett. Solidão. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 384-385.

MARTON, Scarlett. Valor. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 406-408.

MARTON, Scarlett. Vida. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 411-414.

MARTON, Scarlett. Vivência. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 420-421.

MARTON, Scarlett. Vontade. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 421-423.

MARTON, Scarlett. Vontade de potência. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 423-425.

2015

MARTON, Scarlett (org.). Nietzsche em chave hispânica. São Paulo: Edições Loyola, 2015.

MARTON, Scarlett. Genealogia della morale: dalla premura didattica ai fini strategici. In: GIACOMINI, Bruna; GORI, Pietro; GRIGENTI, Fabio (orgs.). La Genealogia della morale. Letture e interpretazioni. Pisa: Edizioni ETS, 2015, p. 29-53.

MARTON, Scarlett. “Il y a tant d’aurores…” Nietzsche et le projet de renversement des valeurs. In: DENAT, Céline; WOTLING, Patrick (orgs.). Aurore, tournant dans l’oeuvre de Nietzsche. Reims: Epure, 2015, p. 251-265.

MARTON, Scarlett. Ascensão e declínio dos profissionais da filosofia. Do trabalho de reflexão à visibilidade mediática. In: CULLETON, Alfredo; STRECK, Lenio; REIS, Robson Ramos dos (orgs.). Festschrift. Um tributo a Ernildo Stein. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2015, p. 9-21.

MARTON, Scarlett. Le perspectivisme: d’une question gnoséologique à une thèse cosmologique. In:  D’IORIO, Paolo; FORNARI, Maria Cristina; LUPO, Luca; PIAZZESI, Chiara (orgs). Prospettive. Ommagio a Giuliano Campioni. Pisa: Edizioni ETS, 2015, p. 273-278.

MARTON, Scarlett. Nietzsche contre Wagner, Nietzsche contre Nietzsche. Une analyse de deux antipodes. In: DENAT, Céline; WOTLING, Patrick (orgs.). Nietzsche. Les textes sur Wagner. Reims: Épure, 2015, p. 35-50.

MARTON, Scarlett. Um novo marco. In: MARTON, Scarlett (org.). Nietzsche em chave hispânica. São Paulo: Edições Loyola, 2015, p. 7-10.

2014

MARTON, Scarlett. Nietzsche e a arte de decifrar enigmas. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

MARTON, Scarlett; BRANCO, Maria João Mayer; CONSTÂNCIO, João (orgs.). Sujeito, décadence e arte. Nietzsche e a modernidade. Lisboa: Tinta da China, 2014.

MARTON, Scarlett. À la recherche d’un critère d’évaluation des évaluations. In: DENAT, Céline; WOTLING, Patrick (orgs.). Les hétérodoxies de Nietzsche. Lectures du Crépuscule des Idoles. Reims: Épure, 2014, p. 321-342.

MARTON, Scarlett. “La nuova concezione del mondo”: volontà di potenza, pluralità di forze, eterno ritorno dell’identico. In: BUSELLATO, Stefano (org.). Nietzsche dal Brasile. Pisa: Edizioni ETS, 2014, p. 21-39.

MARTON, Scarlett. Modernidade e décadence. Wagner e a cultura filisteia. In: MARTON, Scarlett; BRANCO, Maria João Mayer; CONSTÂNCIO, João (orgs.). Sujeito, décadence e arte. Nietzsche e a modernidade. Lisboa: Tinta da China, 2014, p. 199-225.

MARTON, Scarlett. Apresentação. In: MARTON, Scarlett; BRANCO, Maria João Mayer; CONSTÂNCIO, João (orgs.). Sujeito, décadence e arte. Nietzsche e a modernidade. Lisboa: Tinta da China, 2014, p. 9-11.

MARTON, Scarlett. Nietzsche e o problema da linguagem: a crítica enquanto criação. In: LIMA, Márcio José Silveira; ITAPARICA, André Luís Mota (orgs.). Verdade e Linguagem em Nietzsche. Salvador: Edufba, 2014, p. 15-41.

MARTON, Scarlett. “Todo venir-a-ser quiere hablar contigo”: Nietzsche, una nueva concepción del mundo y la crítica radical de los valores. Instantes y Azares, v. XIV, n. 14, p.13 – 34, 2014.

2013

MARTON, Scarlett. Nietzsche et sa recherche d’interlocuteurs. Une analyse du prologue de Ainsi parlait Zarathoustra. In: DENAT, Céline; WOTLING, Patrick (orgs.). Nietzsche. Un art nouveau du discours. Reims: Epure, 2013, p. 81-101.

MARTON, Scarlett. Apresentação. In:  WOTLING, Patrick. Nietzsche e o problema da civilização. São Paulo: Barcarolla, 2013, p. 9-21.

MARTON, Scarlett. L’edizione Colli-Montinari e gli studi nietzschiani in Brasile. Il Ponte. v. LXIX, p. 107 – 118, 2013.

MARTON, Scarlett; SILVA JÚNIOR, Ivo.  Editorial. Cadernos Nietzsche, v. 33, p. 9-11, 2013.

MARTON, Scarlett. Considerações nietzschianas. [Entrevista concedida a Paula Ignacio]. Filosofia. Conhecimento prático. São Paulo, n. 42, p. 8-15, maio de 2013.

2012

MARTON, Scarlett. Ainsi parlait Zarathoustra: l’oeuvre à la fois consacrée et reniée. In: CAMPIONI, Giuliano; CIAMARRA, Leonardo Pica; SEGALA, Marco (orgs.). Goethe, Schopenhauer, Nietzsche – Saggi in memoria di Sandro Barbera. Pisa: ETS, 2012, p. 481-498.

MARTON, Scarlett. La philologie: l’astuce du philosophe généalogiste In: BALAUDÉ, Jean-François; WOTLING, Patrick (orgs.). L’art de bien lire. Nietzsche et la philologie. Paris: Libraire Philosophique J. Vrin, 2012, p. 153-163.

MARTON, Scarlett. La cuestión de vida o muerte. La filosofía de Nietzsche y el problema de la eutanasia. In: RAFFIN, Marcelo; PODESTÀ, Beatriz (orgs.). Problemas y debates de la tradición y la actualidad de la filosofía política. San Juan: Universidad Nacional de San Juan, 2012, p. 19-34.

MARTON, Scarlett. Nietzsche e a cena acadêmica brasileira: exame e avaliação de um trabalho intelectual. In: AZEREDO, Vânia Dutra de; SILVA JÚNIOR, Ivo da (orgs.). Nietzsche e a interpretação. São Paulo: Humanitas, 2012, p. 15-34.

MARTON, Scarlett. Le problème du langage chez Nietzsche. La critique en tant que création. Revue de Métaphysique et de Morale, v. 2, p.225 – 246, 2012.

MARTON, Scarlett. Distancia y combate: la (in)actualidad de Nietzsche. Estudios Nietzsche, v. 12, p. 133 – 145, 2012.

MARTON, Scarlett. GEN – uma experiência de formação. Cadernos Nietzsche, v. 30, p. 303 – 320, 2012.

MARTON, Scarlett. Nietzsche: aqui e lá. [Entrevista concedida a João Neto]. Filosofia. Ciência e Vida. São Paulo, n. 75, p. 5-13, outubro de 2012.

2011

MARTON, Scarlett. Afternoon Thoughts. Nietzsche and Dogmatism. In: CONSTÂNCIO, João; BRANCO, Maria João Mayer (orgs.). Nietzsche on Instinct and Language. Berlim: Walter de Gruyter, 2011, p. 167-184.

MARTON, Scarlett. Nietzsche et la Révolution Française. Remarques sur la divise révolutionnaire. In: DENAT, Céline; PIAZZESI, Chiara (orgs.). Nietzsche pensatore della politica? Nietzsche pensatore del sociale? Nietzsche, penseur de la politique? Nietzsche, penseur du sociale? Pisa: ETS, 2011, p. 119-132.

MARTON, Scarlett. Contra modernos e pós-modernos: Nietzsche e as filosofias de fachada. In: MARTINS, André; SANTIAGO, Homero; OLIVA, Luís César (orgs.). As ilusões do eu: Spinoza e Nietzsche. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011, p. 183-201.

MARTON, Scarlett. Nietzsche, reflexão filosófica e vivência. In: DIAS, Rosa; VANDERLEI, Sabina; BARROS, Tiago (orgs.). Leituras de Zaratustra. Rio de Janeiro: Mauad X; Faperj, 2011, p. 273-283.

MARTON, Scarlett. Da biologia à física: vontade de potência e eterno retorno do mesmo. Nietzsche e as ciências da natureza. In: BARRENECHEA, Miguel Angel de; FEITOSA, Charles; PINHEIRO, Paulo; SUAREZ, Rosana (orgs.). Nietzsche e as ciências. Rio de Janeiro: Viveiros de Castro Editora Ltda., 2011, p. 114-128.

MARTON, Scarlett. Apresentação. In: MÜLLER-LAUTER, Wolfgang. Nietzsche. Sua filosofia dos antagonismos e os antagonismos de sua filosofia. São Paulo: Editora Unifesp, 2011, p. 9-19.

MARTON, Scarlett. Nietzsche, Kant et la métaphysique dogmatique. Nietzsche-Studien, v. 40, p. 106 – 129, 2011.

MARTON, Scarlett. Nietzsche e a crítica da democracia. Dissertatio, v. 33, p. 17 – 33, 2011.

2010

MARTON, Scarlett. Nietzsche, filósofo da suspeita. Rio de Janeiro: Casa da palavra, 2010.

MARTON, Scarlett. Nietzsche, seus leitores e suas leituras. São Paulo: Barcarolla, 2010.

MARTON, Scarlett. Nietzsche, das forças cósmicas aos valores humanos. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 3ª ed., 2010.

MARTON, Scarlett. De la réalité au rêve. Nietzsche et les images de la femme. In: PIAZZESI, Chiara; CAMPIONI, Giuliano; WOTLING, Patrick (orgs.). Letture della Gaia scienza. Pisa: Edicioni ETS, 2010, p. 277-294.

MARTON, Scarlett. O melhor é sempre bom? Um exame de nossos conceitos e valores. In: SANTOS, Franklin Santana (org.). A arte de morrer. Visões Plurais. Bragança Paulista: Comenius, 2010, vol. 3, p. 108-117.

MARTON, Scarlett. Como ler Nietzsche? Sobre a interpretação de Patrick Wotling. Cadernos Nietzsche, v. 26, p. 35 – 52, 2010.

MARTON, Scarlett. Da realidade ao sonho: Nietzsche e as imagens da mulher. Estudos Nietzsche, v. 1, p. 161 – 179, 2010.

MARTON, Scarlett. Uma ética nietzschiana. Cult. São Paulo, n. 149, p. 54 – 57, agosto de 2010.

2009

MARTON, Scarlett. Extravagâncias. Ensaios sobre a filosofia de Nietzsche. São Paulo: Discurso editorial, 3ª ed., 2009.

MARTON, Scarlett (org.). Nietzsche, um « francês » entre franceses. São Paulo: Barcarolla, 2009.

MARTON, Scarlett. Da história da filosofia à filosofia. O devir-criança do pensamento. In: LINS, Daniel (org.). O devir-criança do pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009, p. 53-66.

MARTON, Scarlett. Nietzsche e Spinoza: « os dois irmãos-inimigos da filosofia moderna » In: MARTINS, André (org.). O mais potente dos afetos: Spinoza e Nietzsche. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009, p. 01-16.

MARTON, Scarlett. Voltas e reviravoltas. Acerca da recepção de Nietzsche na França. In: MARTON, Scarlett. Nietzsche, um « francês » entre franceses. São Paulo: Barcarola, 2009, p. 13-52.

MARTON, Scarlett. Claustros vão se fazer outra vez necessários. In: AZEREDO, Vânia Dutra de (org.). Nietzsche, filosofia e educação. Ijuí: Editora Unijuí, 2008, p. 17-38.

MARTON, Scarlett. Nietzsche. In: PECORARO, Rossano (org.). Os Filósofos: Clássicos da filosofia. Petrópolis: Vozes Ltda., 2008, vol. II, p. 181-205.

MARTON, Scarlett. Niilismos sísmicos – a compulsiva exaltação do presente. In: PECORARO, Rossano; ENGELMANN, Jacqueline (orgs.). Filosofia contemporânea – Niilismo. Política. Estética. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio, 2008, p. 17-38.

MARTON, Scarlett. Apresentação. In: AZEREDO, Vânia Dutra de. Nietzsche e a aurora de uma nova ética. São Paulo/  Ijuí: Humanitas/ Editora Unijuí, 2008, p. 1.

MARTON, Scarlett. Do dilaceramento do sujeito à plenitude dionisíaca. Cadernos Nietzsche, v. 25, p. 53 – 82, 2009.

MARTON, Scarlett. Em busca do discípulo tão amado. Uma análise conceitual do prólogo de Assim falava Zaratustra. Impulso, v. 47, p. 39 – 52, 2009.

MARTON, Scarlett. A construção do eu. Jornal de Resenhas, p. 14-15, 2009.

MARTON, Scarlett. A morte como instante de vida. Filosofia, p. 19 – 25, 2009.

MARTON, Scarlett. Entrevista. Revista E. São Paulo, ano 16, n. 2, p. 10 – 14, agosto de 2009.

MARTON, Scarlett. Eutanásia: a favor ou contra. Filosofia. Ciência e Vida. São Paulo, n. 38, p. 16 – 23, 2009.

MARTON, Scarlett. Interpretações de Nietzsche mundo afora. [Entrevista concedida a João Neto]. Filosofia. Ciência e Vida. São Paulo, n. 39, p. 6 – 13, 2009.

MARTON, Scarlett. O fenômeno Nietzsche. Filosofia. Conhecimento prático. São Paulo, n. 17, p. 6 – 14, 2009.

2008

MARTON, Scarlett. Sobre Sartre. O Que nos Faz Pensar, v. 21, p. 5 – 19, 2008.

MARTON, Scarlett. Tentativas de apagar 68. Folha de São Paulo. São Paulo, p. 3, 27 de maio de 2008.

MARTON, Scarlett. Entrevista. Revista Cláudia. São Paulo, ano 47, n. 6, p. 52 – 56, junho de 2008.

MARTON, Scarlett. O que estou lendo. Cult. São Paulo, n. 125, p. 27, junho de 2008.

2007

MARTON, Scarlett (org.). Nietzsche pensador mediterrâneo. A recepção italiana. São Paulo/ Ijui: Discurso Editorial/ Editora Unijui, 2007.

MARTON, Scarlett. Novas liras para novas canções. Reflexões sobre a linguagem em Nietzsche. In: POMMER, Arnaldo; FRAGA, Paulo Denisar; SCHNEIDER, Paulo Rudi (orgs.). Filosofia e Crítica. Ijuí: Editora Unijuí, 2007, p. 477-496.

MARTON, Scarlett. Pontos de inflexão. Acerca da recepção de Nietzsche na Itália. In: MARTON, Scarlett (org.). Nietzsche pensador mediterrâneo. A recepção italiana. São Paulo/Ijui: Discurso Editorial/Editora Unijui, 2007, p. 13-68.

MARTON, Scarlett. Novas liras para novas canções: reflexões sobre a linguagem em Nietzsche. Ide, v. 30, n. 44, p. 32 – 39, 2007.

MARTON, Scarlett. Buscando o critério de avaliação das avaliações. Revista IHU. Unisinos. São Leopoldo, n. 127, p. 8 – 10, 2007.

2006

MARTON, Scarlett. Nietzsche. A transvaloração dos valores. São Paulo: Moderna, 4ª ed., 2006.

MARTON, Scarlett (org.). Nietzsche abaixo do Equador. São Paulo/ Ijuí: Discurso Editorial/ Editora Unijuí, 2006.

MARTON, Scarlett. A condição do homem: ontologia e historicidade. In: OLIVEIRA, Nythamar de; SOUZA, Draiton Gonzaga de (orgs.). Hermenêutica e filosofia primeira. Ijui: Editora Unijui, 2006, p. 501-520.

MARTON, Scarlett. Constelações. Acerca da recepção de Nietzsche na América do Sul. In: MARTON, Scarlett (org.). Nietzsche abaixo do Equador. São Paulo/ Ijuí: Discurso Editorial/ Editora da Unijuí, 2006, p. 13-17.

MARTON, Scarlett. A Filosofia de Nietzsche: um pragmatismo avant la lettre. Cognitio, v. 7, p. 115 – 120, 2006.

2005

MARTON, Scarlett (org.). Nietzsche na Alemanha. São Paulo/ Ijuí: Discurso Editorial/ Editora da Unijuí, 2005.

MARTON, Scarlett. O avesso do avesso é o direito? In: AZEREDO, Vânia Dutra de (org.). Falando de Nietzsche. Ijuí: Editora da Unijuí, 2005, p. 13-22.

MARTON, Scarlett. Desfigurações e desvios, In: MARTON, Scarlett (org.). Nietzsche na Alemanha. São Paulo/ Ijuí: Discurso Editorial/ Editora da Unijuí, 2005, p. 13-49.

MARTON, Scarlett. Apresentação. In: PECORARO, Rossano. Niilismo e (pós) modernidade. Rio de Janeiro/ Sâo Paulo: Editora PUC/ EdiçõesLoyola, 2005.

MARTON, Scarlett. Autobiografia precoce. [Entrevista concedida a Federico Mengozzi]. São Paulo, Época, n. 371, p. 108 – 109, 27 de junho de 2005.

2004

MARTON, Scarlett. A irrecusável busca de sentido. Autobiografia intelectual. São Paulo/ Ijuí: Ateliê Editorial/ Editora Unijuí, 2004.

MARTON, Scarlett. Entre o relativo e o transcendente: pluralidade de interpretações e ausência de critérios. Dissertatio, v. 19-20, p. 343 – 365, 2004.

MARTON, Scarlett. Autobiografias da destruição. Folha de São Paulo, p. 8, 2004.

MARTON, Scarlett. Uma nova aurora. Cult. São Paulo, n. 82, p. 12 – 13, julho de 2004.

2003

MARTON, Scarlett. Prefácio. In: ONATE, Alberto Marcos. Entre eu e si ou A questão do humano na filosofia de Nietzsche.  Rio de Janeiro: 7Letras, 2003.

MARTON, Scarlett. Ideias em cena: Filosofia e arte. In: AZEREDO, Vânia Dutra de (org.). Encontros Nietzsche. Ijuí: Editora Unijuí, 2003, p. 21-30.

MARTON, Scarlett. Nietzsche/ Zaratustra: La subversión de la autobiografía. Estudios de Filosofia, v. 27, p. 25 – 40, febrero de 2003.

MARTON, Scarlett. Una cuestión de vida o muerte: la filosofía de Nietzsche y el problema de la eutanasia. Lógoi, n. 6, p. 38-42, 2003.

2002

MARTON, Scarlett. Actualidad y recepción de la filosofía de Nietzsche en Brasil. Universitas Philosophica, v. 38, p. 205 – 215, 2002.

MARTON, Scarlett. Nietzsche: la obra hecha y la obra todavía por hacer. Estudios Nietzsche, v. 2, p. 181 – 203, 2002.

MARTON, Scarlett. Uma questão de vida ou morte: a filosofia de Nietzsche e o problema da eutanásia. Hypnos, v. 9, p. 120 – 134, 2002.

2001

MARTON, Scarlett. Extravagâncias. Ensaios sobre a filosofia de Nietzsche. São Paulo/ Ijuí: Discurso Editorial/ Editora UNIJUÍ, 2ª ed., 2001.

MARTON, Scarlett. Assim silenciou Nietzsche. In: FEITOSA, Charles; CASANOVA, Marco Antonio; BARRENECHEA, Miguel Angel; DIAS, Rosa (orgs.).  Assim Falou Nietzsche III – Para uma filosofia do futuro. Rio de Janeiro: 7Letras, 2001, p. 166-180.

MARTON, Scarlett. Apuntes para una ética del medio ambiente. Friedrich Nietzsche y su concepción del hombre y del mundo. Yachay, v. 32/33, p. 265 – 275, 2001.

MARTON, Scarlett. Em busca de um discípulo tão amado. Impulso, v. 12, n. 28, p. 21-32, 2001.

MARTON, Scarlett. Lobos, cordeiros e aves de rapina. Diagnóstico de nossos valores morais, Revista de Filosofia Aurora, ano XIII, v. 12, p.13 – 22, 2001.

MARTON, Scarlett. Nietzsche, discípulo del filósofo Dionysos. Instantes y Azares, v. 1, p. 73 – 84, 2001.

MARTON, Scarlett. Nietzsche, psicólogo das profundezas. Informação – Informativo da Sociedade de Psicologia do Rio Grande do Sul, p. 5, outubro de 2001.

MARTON, Scarlett. No divã do filósofo. Única. São Paulo, ano 1, n. 5, p. 77, maio de 2001.

2000

MARTON, Scarlett. Extravagâncias. Ensaios sobre a filosofia de Nietzsche. São Paulo/ Ijuí: Discurso Editorial/ Editora Unijuí, 2000

MARTON, Scarlett. Nietzsche, das forças cósmicas aos valores humanos. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2ª ed., 2000.

MARTON, Scarlett. Deleuze e sua sombra. In: ALLIEZ, Éric (org.). Gilles Deleuze: uma vida filosófica. São Paulo: Editora 34, 2000, p. 235-243.

MARTON, Scarlett. Só acreditaria num Deus que soubesse dançar. In: FEITOSA, Charles; BARRENECHEA, Miguel Angel (orgs.). Assim  Falou Nietzsche II – Memória, tragédia e cultura. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000, p. 143-154.

MARTON, Scarlett. Nietzsche in Brasilien. Nietzsche-Studien, v. 29, p. 369 – 376, 2000.

MARTON, Scarlett. Nietzsche y Hegel, lectores de Heráclito. Ideas y Valores, v. 114, p. 35 – 50, 2000.

MARTON, Scarlett. Nietzsche e Descartes: filosofias de epitáfio. O Que nos Faz Pensar, v. 14, p. 7 – 23, 2000.

MARTON, Scarlett. Nietzsche, reflexão filosófica e vivência. Tempo Brasileiro, v. 143, p. 41 – 54, 2000.

MARTON, Scarlett. Silêncio, solidão. Cadernos Nietzsche, v. 9, p. 79 – 105, 2000.

MARTON, Scarlett. Demasiado Humano. O Estado de São Paulo, Caderno 2, p. 1, 20/08/2000.

MARTON, Scarlett. Deus está morto. Jornal do Brasil, Ideias, p. 3, 19/08/2000.

MARTON, Scarlett. Um século depois, ainda um extemporâneo. Folha de São Paulo, Caderno Mais, p. 16 – 17, 06/08/2000.

MARTON, Scarlett. Ecos nietzschianos [Entrevista]. Livro aberto. São Paulo, ano 4, n. 18, p. 47 – 48, agosto/ setembro de 2000.

1999

MARTON, Scarlett. A morte de Deus e a transvaloração dos valores. Hypnós, v. 5, p. 133 – 143, 1999.

MARTON, Scarlett. Décadence, um diagnóstico sem terapêutica. Cadernos Nietzsche, v. 6, p. 3 – 9, 1999.

MARTON, Scarlett. Resenha de Haar, La philosophie française entre phénoménologie et métaphysique. Natureza humana, v. 1, n. 1 (1999).

1997

MARTON, Scarlett. Deleuze et son ombre. In: ALLIEZ, Éric (org.). Gilles Deleuze une vie philosophique. Paris: Le Plessis-Robinson, 1998, p. 233-242.

MARTON, Scarlett. Apresentação. In: BRUM, José Thomaz. O pessimismo e suas vontades. Schopenhauer e Nietzsche. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

MARTON, Scarlett. Man and world: Friedrich Nietzsche and the philosophical presuppositions of environmental ethics. Applied Ethics/ Angewandte Ethik, v. 2, p. 51 – 55, 1998.

MARTON, Scarlett. Livro amontoa clichês sobre Nietzsche. Resenha Paul Strathern, Nietzsche em 90 minutos. Folha São Paulo, Folha Ilustrada, p. 1, 03/02/1998.

1997

MARTON, Scarlett. A terceira margem da interpretação.  In: MÜLLER-LAUTER, Wolfgang. A doutrina da vontade de poder em Nietzsche. São Paulo: Annablume, 1997, p. 7-48.

MARTON, Scarlett. Nietzsche e a celebração da vida. A interpretação de Jörg Salaquarda. Cadernos Nietzsche, v. 2, p. 7 – 15, maio de 1997.

MARTON, Scarlett. Nietzsche, o anti-asno par excellence. Discurso, v. 28, p. 159 – 165, 1997.

MARTON, Scarlett. Inquietações de Nietzsche. Resenha de Nietzsche, Cinco prefácios para cinco livros não escritos. Jornal de Resenhas, v. 24, p. 2, 14/03/1997.

MARTON, Scarlett. Recepções de Nietzsche. Resenha de Jörg Salaguarda (org.), Nietzsche. Jornal de Resenhas, v. 29, p. 2, 09/08/1997.

1996

MARTON, Scarlett. Nietzsche, a transvaloração dos valores. São Paulo: Editora Moderna, 3ª ed., 1996.

MARTON, Scarlett. Pascal: a busca do ponto fixo e a prática da anatomia moral. In: BONI, Luís A. de (org.). Finitude e Transcendência. Petrópolis: Vozes/Editora PUC/RS, 1996, p. 713-726.

MARTON, Scarlett. L’éternel retour du même: thèse cosmologique ou impérative éthique?. Nietzsche-Studien, v. 25, p. 42 – 63, 1996.

2021

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Nietzsche, o último filósofo metafísico? (um diálogo acerca da interpretação heideggeriana). Cadernos Nietzsche, v. 42, n.1, janeiro/abril, 2021, p. 191-208.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. BENOIT, Blaise. Nietzsche e as mulheres: uma importante contribuição de Scarlett Marton. Cadernos Nietzsche, v. 42, n 2, maio/agosto, 2021, p. 225-232 (tradução).

2020

MELO NETO, João Evangelista Tude de.  Nietzsche à luz dos antigos: a cosmologia. São Paulo: Editora Unifesp; Grupo de Estudos Nietzsche, 2020.

MELO NETO, João Evangelista Tude de.  Os reflexos do pensamento nietzschiano na Dialética do Esclarecimento. In: Vânia Dutra de Azeredo e Wilson Antonio Frezzatti Jr.. (Org.). Nietzsche e seus intérpretes. Curitiba: CRV, 2020, v. 3, p. 83-97.

MELO NETO, João Evangelista Tude de.  A noção nietzschiana de transvaloração dos valores (uma análise a partir das seções § 7 e § 8 da primeira dissertação de Genealogia da moral). Aufklärung: revista de filosofia UFPB. 7, 2020, p. 51­-60.

MELO NETO, João Evangelista Tude de; CORDEIRO, R. C. Apresentação: Nietzsche no Nordeste. Aufklärung: revista de filosofia UFPB. 7, 2020.

2019

MELO NETO, João Evangelista Tude de (Org); PERRUISI, M. S. (Org.); FERREIRA, S. G. (Org.). Filosofia do Virtual: reflexões filosóficas acerca da Internet. Porto Alegre (RS): Editora Fi, 2019.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. La notion nietzschéenne d’État dans les sections § 16 et § 17 du deuxième traité de La Généalogie de la Morale. Nietzsche et la tradition contractualiste. In: Clément Bertot; Jean Leclercq, Nicolas Monseu; Patrick Wotling. (Org.). Nietzsche, penseur de l’affirmation Relecture d’Ainsi parlait Zarathoustra. 1ed.Louvain: Presses universitaires de Louvain, 2019, p. 287-300.
MELO NETO, João Evangelista Tude de. Uma reflexão sobre a Internet à luz da Dialética do esclarecimento. In: _____. Filosofia do Virtual: reflexões filosóficas acerca da Internet. 1ed.Porto Alegre (RS): Editora Fi, 2019, p. 17-53.
MELO NETO, João Evangelista Tude de.
FREIRE, P. L. X. Facebook, Indústria Cultural e razão instrumental: uma reflexão à luz da Dialética do Esclarecimento. In: _____. Filosofia do Virtual: reflexões filosóficas acerca da Internet. 1ed.Porto Alegre (RS): Editora Fi, 2019, p. 55-77.

2018

 MELO NETO, João Evangelista Tude de. A reflection on the brazilian malandragem in the light of the greek notion of métis. In: CURADO, Danilo Vaz. (Org.). Contemporary Issues Across Ethics and Epistemology: Studies of Ethics and Epistemology in Latin American Perspective Anthology. 1ed.Munique: Grin Verlag, 2018, p. 75-84.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Uma reflexão sobre a malandragem brasileira à luz da noção grega de Métis. In: ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI. (Org.). Ética: dos fundamentos filosóficos aos princípios de ação. 1ed.Porto: Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, 2018, v. 1, p. 124-129.

MELO NETO, João Evangelista Tude de; SANTOS, Antônio Carlos de Oliveira. Convergências e divergências entre Nietzsche e a tradição contratualista: a noção nietzschiana de ‘Estado’ nas seções §16 e §17 da segunda dissertação de Genealogia da moral. Cadernos Nietzsche, v. 39, n 2, 2018, p. 31-53.
MELO NETO, João Evangelista Tude de. O eterno retorno do mesmo e a subversão da noção de fatalismo. Discurso-USP, v. 48, 2018, p. 121-133.

MELO NETO, João Evangelista Tude de; DOURADO, I. G.. A crítica de Nietzsche à noção de sujeito e a falência da moral do Ocidente. Ágora Filosófica, v. 1, 2018, p. 115-130.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. BINOCHE, B. Nietzsche, filho de seu tempo: a questão do ascetismo. Genealogia da moral. Cadernos Nietzsche, v. 39, n 2, Porto Seguro BA, Guarulhos SP: Grupo de Estudos Nietzsche, 2018, p. 11-26. (Tradução)

2017

 MELO NETO, João Evangelista Tude de. 10 lições sobre Nietzsche. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 2017.

MELO NETO, João Evangelista Tude de; GONÇALVES, L. F. X. . A relação entre a cosmologia nietzschiana e a filosofia da natureza dos estoicos. Ágora Filosófica, v. 1, 2017, p. 31-54.

MELO NETO, João Evangelista Tude de; PERRUSI, M. S. Editorial – Dossiê Nietzsche. Ágora Filosófica, v. 1, 2017, p. 1-3.

MELO NETO, João Evangelista Tude de; CONWAY, Daniel. O imoralismo nietzschiano e o advento da ‘Grande Política’. In. NASSER, Eduardo; RUBIRA, Luís. Nietzsche no século XXI. Porto Alegre: ZUOK, 2017 (Tradução).

MELO NETO, João Evangelista Tude de; ASTOR, Dorian. Rossini, músico do futuro. Nietzsche e Peter Gast na descoberta da Grande Saúde rossiniana. Cadernos Nietzsche. Guarulhos/Porto Seguro, 2017, 148-182 (Tradução).

2016

MELO NETO, João Evangelista Tude de. L’inversion du poème parménidien: de la critique de la pensée de Parménide par le jeune Nietzsche. In: DENAT, Céline; WOTLING, Patrick. (Org.). Nietzsche. Les premiers textes sur les Grecs. 1ed.Reims: ÉPURE – Éditions et Presses universitaires de Reims, 2016, v. 9, p. 25-30.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Genealogia da Malandragem. In: FELIX, Paula (Org.). Nietzsche entre o passado e o futuro. 1ed.São Paulo: Escala, 2016. p. 11-17.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. O Pensamento de Nietzsche no Brasil. In: FELIX, Paula (Org.). Nietzsche entre o passado e o futuro.São Paulo: Escala, 2016. p. 91-95.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Ascetismo. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Ateísmo. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Castigo. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Compaixão. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Cristianismo. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Culpa. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Esquecimento. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Fatalismo. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Judaísmo. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Seleção. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Trágico. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Vontade de verdade. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Considerações extemporâneas. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

MELO NETO, João Evangelista Tude de; COHEN-HALIMI, Michèle. Nietzsche e ‘o povo mais fatal da história universal’. Cadernos Nietzsche. São Paulo: Grupo de Estudos Nietzsche, 2016, p. 47-82 (Tradução).

2015

MELO NETO, João Evangelista Tude de. O além como justificação de uma moral negadora do mundo terreno. In: DENAT, Céline; WOTLING, Patrick. (Org.). Aurore, tournant dans l’oeuvre de Nietzsche. 1ed. Reims: Épure-Éditions et presses universitaires de Reims, 2015, v. 5, p. 123-133.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Uma reflexão ética acerca da malandragem brasileira. Um exame da malandragem a partir de uma perspectiva nietzschiana.. In: CURADO, Danilo Vaz; EFKEN, Karl-Heinz (Orgs.). (Org.). Normas, máximas & ação. 1ed.Porto Alegre: Editora Fi, 2015, v. 1, p. 64-85.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. As malandragens de Odisseu. Filosofia. São Paulo: Escala, v. 1, n.107, 2015, p. 14-23.

MELO NETO, João Evangelista Tude de Melo. As malandragens de Odisseu 2 ed. Filosofia. São Paulo: Escala, v. 1, n.110, 2015, p. 66-71.

2014

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Invertendo o poema parmenídico: sobre a crítica do jovem Nietzsche ao pensamento de Parmênides.. Cadernos Nietzsche, v. 34, 2014.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. A doutrina nietzschiana do eterno retorno: uma tentativa de reviravolta na moral através da subversão da noção ocidental de tempo e história. Ágora Filosófica, v. 1, 2014. p. 7-20.

MELO NETO, João Evangelista Tude de; CORBIER, Christofer. Harmonia e música dionisíaca: do Drama musical grego ao Nascimento da tragédia. Cadernos Nietzsche. São Paulo: Grupo de Estudos Nietzsche, 2014, 63-98 (Tradução).

2012

MELO NETO, João Evangelista Tude de. O eterno retorno do diferente? Sobre a interpretação de Deleuze acerca da doutrina nietzschiana do eterno retorno do mesmo. Perspectiva filosofica (UFPE), v. 1, 2012, p. 95-116.

2011

MELO NETO, João Evangelista Tude de. A dialética do rock. Filosofia. São Paulo: Escala, v. 1, n.59, 2011, p. 45-52.

2010

MELO NETO, João Evangelista Tude de. A crítica nietzschiana à metafísica através da noção do perpectivismo. Studium (Instituto Salesiano de Filosofia), v. 26, 2010, p. 183-203.

MELO NETO, João Evangelista Tude de. Dialética do virtual. Filosofia. São Paulo: Escala, v. 1, n. 44, 2010, p. 16-27.

2021

NASSER, Eduardo. Os Kollegnachschriften de Nietzsche. Considerações sobre uma lacuna das obras completas. Cadernos Nietzsche, v. 42, p. 89-110, 2021.

2020

NASSER, Eduardo. Das europäische Gift: Nietzsche und das Alkoholproblem. In: Isabelle Wienand, Patrick Wotling. (Org.). Die Frage der Medizin in NietzschesPhilosophie / La question de la médecine dans la philosophie de Nietzsche. 1eded.Basel: Schwabe Verlag, p. 281-306, 2020.

NASSER, Eduardo. Nachweise aus Jacob Bernays, Joseph Justus Scaliger (1855). Nietzsche-Studien, v. 49, p. 302-306, 2020.

NASSER, Eduardo. Nachweise aus Gottfried Bernhardy, Grundriß der Römischen Litteratur (1865). Nietzsche-Studien, v. 49, p. 311-314, 2020.

NASSER, Eduardo. Nachweise aus Otto Jahn, Aus der Alterthumswissenschaft (1868). Nietzsche-Studien, v. 49, p. 311-314, 2020.

NASSER, Eduardo. Descoberta e redescoberta de um espólio itinerante. Resenha de FORNARI, Maria Cristina. Uma Aventura de mais de um Século. A História das Edições de Nietzsche. Cadernos Nietzsche, 2020, p. 195-202 (Resenha).

2019

NASSER, Eduardo. Paolo Stellino e Olivier Tinland (Org.) Nietzsche et le relativisme. Voluntas, v. 10, n. 2. 2019, p. 158-161 (Resenha).

2018

NASSER, Eduardo. Sub specie saeculi, sub specie aeterni: tempo e eternidade no jovem Nietzsche. Discurso, v. 48/2, 2018, p. 81-94.

NASSER, Eduardo. Sobre o caráter ontológico da ciência: possíveis contribuições de Nicolai Hartmann para um problema do realismo especulativo. Cadernos de Filosofia Alemã, v. 23, p. 67-79.

NASSER, Eduardo. Filosofia da alimentação e o caminho para a temperança em Nietzsche. Estudos Nietzsche, v. 9, p. 9-24.

NASSER, Eduardo. Andreas Urs Sommer. Nietzsche-Kommentar 5/1. Kommentar zu Nietzsches Jenseits von Gut und Bose. Discurso, v. 48/2, 2018, p. 203-205 (Resenha).

2017

NASSER, Eduardo; RUBIRA, Luís (Org.) Nietzsche no século XXI. Homenagem ao Grupo de Estudos Nietzsche (GEN). Porto Algre: Editora Zouk, 367p.

NASSER, Eduardo. Nietzsche und die Zeitschrift Mind : der Philosoph des Lebens und die neuen Weichenstellungen der akademischen Philosophie. In: Céline Denat, Patrick Wotling. (Org.). Humain, trop humain et les débuts de la réforme de la philosophie. 1ed.Reims: ÉPURE – Éditions et Presses universitaires de Reims, v. 1, p. 99-127.

NASSER, Eduardo; RUBIRA, Luís. Nietzsche no século XXI. Homenagem ao Grupo de Estudos Nietzsche (GEN). Porto Alegre, 2017. (Prefácio)

NASSER, Eduardo. Transfigurações do passado: aspectos do problema do tempo na segunda Consideração extemporânea. Cadernos Nietzsche, v. 38, p. 57-95.

2016

NASSER, Eduardo. Nietzsche et la réforme méthodologique de la philologie: le problème de la scientificité dans le contexte des études classiques. In: Céline Denat; Patrick Wotling. (Org.). Nietzsche. Les premiers textes sur les Grecs. 1ed.Reims: Éditions et presses universitaires de Reims, p. 51-79.

NASSER, Eduardo. Nietzsche e a revista Mind: o filósofo da vida ante os novos rumos da filosofia acadêmica. Estudos Nietzsche, v. 6, p. 116-136.

NASSER, Eduardo. Humano, demasiado humano. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 46-50.

NASSER, Eduardo. Espaço. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 200-202.

NASSER, Eduardo. Filologia. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 228-230.

NASSER, Eduardo. Gênio. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 245-247.

NASSER, Eduardo. Morte. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 314-316.

NASSER, Eduardo. Necessidade. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 324-326.

NASSER, Eduardo. Pensamento. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 334-335.

NASSER, Eduardo. Realidade. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 354-356.

NASSER, Eduardo. Sensação. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 373-376.

NASSER, Eduardo. Substância. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 385-386.

NASSER, Eduardo. Tempo. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 389-391.

NASSER, Eduardo.  Teoria do conhecimento. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 392-393.

NASSER, Eduardo. Vir-a-ser. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 416-417.

2015

NASSER, Eduardo. Nietzsche e a ontologia do vir-a-ser.  São Paulo: Loyola, 2015. v. 1. 271p.

NASSER, Eduardo. Nietzsche e a reforma metodológica da filologia: o problema da cientificidade no contexto dos estudos clássicos. Hypnos, v. 34, p. 79-104, 2015.

NASSER, Eduardo. O materialismo e o destino da filosofia no século XIX. Dissertatio, v. 41, p. 31-46, 2015.

2014

NASSER, Eduardo. Sul cristianesimo del giovane Nietzsche. In: Stefano Busellato. (Org.). Nietzsche dal Brasile. Contributi alla ricerca contemporanea. Pisa: Edizioni ETS, 2014, p. 147-164.

NASSER, Eduardo. Nietzsche and the Transformation of Death. In: Vanessa Lemm. (Org.). Nietzsche and the Becoming of Life. 1ed.New York: Fordham University Press, 2014, v., p. 231-244.

NASSER, Eduardo. Nietzsche e a busca pelo seu leitor ideal. Cadernos Nietzsche, v. 1, p. 33-56, 2014.

NASSER, Eduardo. Argumento da terceira possibilidade 2014 (Verbete da plataforma online Arethusa da Faculdade de Filosofia da USP).

NASSER, Eduardo. Materialismo vulgar 2014 (Verbete da plataforma online Arethusa da Faculdade de Filosofia da USP).

NASSER, Eduardo. Poesia conceitual (Friedrich Albert Lange) 2014 (Verbete da plataforma online Arethusa da Faculdade de Filosofia da USP).

NASSER, Eduardo. Teoria do conhecimento (surgimento) 2014 (Verbete da plataforma online Arethusa da Faculdade de Filosofia da USP).

NASSER, Eduardo. BARRECHENEA, M.A., FEITOSA, C., PINHEIRO, P., SUAREZ, R. (Org.) Nietzsche e as ciências in: The Journal of Nietzsche Studies 45, 2 2014, p. 219-221 (Resenha).

2012

NASSER, Eduardo. O destino do gênio e o gênio enquanto destino: o problema do gênio no jovem Nietzsche. Cadernos Nietzsche, v. 30, p. 287-302, 2012.

NASSER, Eduardo. Aspiração ao absoluto. Arte! Brasileiros, São Paulo, p. 78 – 78, 01 jul. 2012.

NASSER, Eduardo. Depoimentos – Grupo de estudos Nietzsche (GEN). Cadernos Nietzsche, v. 30, p. 333-335, 2012.

2011

NASSER, Eduardo. O romantismo em Nietzsche enquanto um problema temporal, estético e ético. In: André Martins; Homero Santiago; Luís César Oliva. (Org.). As ilusões do eu. Spinoza e Nietzsche. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011, p. 20-40.

NASSER, Eduardo. « Como tornar-se o que se é »: si-mesmidade e fatalismo em Nietzsche. Dissertatio, v. 33, p. 189-226, 2011.

2009

NASSER, Eduardo. O romantismo em Nietzsche enquanto um problema temporal, estético e ético. Trágica: Estudos sobre Nietzsche, v. 4, p. 30-44, 2009.

2008

NASSER, Eduardo. A crítica da concepção de substância em Nietzsche. Cadernos Nietzsche, v. 24, p. 87-102, 2008.

NASSER, Eduardo. Nietzsche e a morte. Cadernos de Filosofia Alemã, v. 11, p. 99-110, 2008.

2006

NASSER, Eduardo. O Tempo em Platão: Os Meandros da Leitura Heideggeriana. Hypnos, v. 17, p. 112-126, 2006.

2003

NASSER, Eduardo. A Leitura Heideggeriana do Eterno Retorno de Nietzsche. Revista Philosophica, v. 26, p. 171-179, 2003.

2021

NETO, João Pereira da Silva. A Perspectiva do Valor e o Valor das Perspectivas, Curitiba: EDITORA CRV, 2021.

2020

NETO, João Pereira da Silva. As notas do período militar de Nietzsche: Para uma reavaliação das influências de juventude, Cadernos Nietzsche, São Paulo, v. 41, p. 85-115, maio/agosto de 2020, disponível em: https://doi.org/10.1590/2316-82422020v4102jpsn.

2016

NETO, João Pereira da Silva. Entre Schopenhauer e Lange: Nietzsche e sua interpretação prematura da filosofia kantiana, Estudos Nietzsche, Espírito Santo, v. 6, p. 243-258, abril de 2016, disponível em: https://periodicos.ufes.br/estudosnietzsche/article/view/12420

2021

RUBIRA, Luís. Nietzschiana. Textos do autor de Zaratustra selecionados e traduzidos por Alberto Ramos. Edição Comemorativa organizada, revisada e anotada por Luís Rubira. Pelotas: NEPFIL Online, 2021 (No Prelo).

2020

RUBIRA, Luís. « La tâche de la transvaluation ». In: Denat, C.; Wotling, P. (Org.). Nietzsche. Les textes de 1888. Reims / France: Épure – Éditions et Presses universitaires de Reims, 2020,  p. 169-187.

RUBIRA, Luís. “Alberto Ramos, tradutor de Heine e de Nietzsche”. In: Diário Popular, Pelotas/RS, p. 6-6, 07 ago., 2020.

RUBIRA, Luís. “Mário Ferreira dos Santos, um filósofo pelotense?”. In: Diário Popular, p. 6-6, 24 jul., 2020.

RUBIRA, Luís. “Jorge Salis Goulart, herdeiro de Bergson?”. In: Diário Popular, Pelotas/RS, p. 6-6, 17 jul., 2020.

RUBIRA, L. “Simone de Beauvoir e Carolina de Jesus?”. In: ANDRADE, Josiana Barbosa. Simone de Beauvoir e Carolina de Jesus: um ensaio sobre a busca da existência. Ebook, São Leopoldo: Karywa, 2020.

2019

RUBIRA, Luís. “Zarathoustra et l’incorporation de sa « pensée abyssale »”. In: Clément Bertot, Jean Leclercq, Nicolas Monseu, Patrick Wotling (Org.). Nietzsche, penseur de l’affirmation Relecture d’« Ainsi parlait Zarathoustra ». 1a ed. Louvain/Bélgica: Presses universitaires de Louvain, 2019, v. 1, p. 273-285.

2018

RUBIRA, Luís. “A tarefa da transvaloração: esclarecimentos a partir da correspondência de Nietzsche em 1888”. In: Discurso – Departamento de Filosofia da FFLCH da USP, v. 48, p. 135-154, 2018.

RUBIRA, Luís. “Filosofia de Nietzsche influenciou muitas gerações de intelectuais brasileiros”. In: IHU ON-LINE – Revista do Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo – RS, p. 67 – 72, 01 out. 2018.

2017

RUBIRA, Luís; NASSER, Eduardo (Org.). Nietzsche no século XXI: homenagem ao Grupo de Estudos Nietzsche. Porto alegre: Editora Zouk, 2017.

RUBIRA, Luís; NASSER, Eduardo. Prefácio. In: Nietzsche no Século XXI – Homenagem ao Grupo de Estudos Nietzsche. Porto Alegre: Editora Zouk, 2017.

2016

RUBIRA, LUÍS. “Nietzsche no Brasil (1933-1943): Da ascensão do nacional-socialismo ao Grande Reich Alemão”. In: Cadernos Nietzsche, v. 37, p. 18-64, 2016.

RUBIRA, Luís; PINTO, Fabiano. (Org.). Dossiê Recepção: Nietzsche no Brasil – núcleo histórico, parte IV (1933-1939). São Paulo: Cadernos Nietzsche, v. 37, n. 2, p. 125-169, 2016.

RUBIRA, Luís; PINTO, Fabiano. (Org.). Dossiê Recepção: Nietzsche no Brasil – núcleo histórico, parte V (1940-1943). São Paulo: Cadernos Nietzsche, v. 37, n. 3, p. 65-115, 2016.

RUBIRA, Luís. “Os livros publicados por Nietzsche: O anticristo”. In: GEN (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 83-88.

RUBIRA, Luís. “Além-do-homem”. In: GEN (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 106-107.

RUBIRA, Luís. “Amor fati”. In: GEN (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 109-111.

RUBIRA, Luís. “Ditirambo”. In: GEN (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 190-193.

RUBIRA, Luís. “Eterno retorno do mesmo”. In: GEN (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 211-213.

RUBIRA, Luís. “Grande política”. In: GEN (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 247-249.

RUBIRA, Luís. “Imoralista”. In: GEN (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 266-268.

RUBIRA, Luís. “Sujeito”. In: GEN (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 387-389.

RUBIRA, Luís. “Transvaloração de todos os valores”. In: GEN (Org.). Dicionário Nietzsche. 1ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 399-402.

RUBIRA, Luís. “Último homem”. In: GEN (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 402-403.

2015

RUBIRA, Luís. « De la valeur des valeurs à la physiologie de l’art: préssupposés pour la compréhensions du Cas Wagner et de Nietzsche contra Wagner ». In: Wotling, P.; Denat, C.. (Org.). Nietzsche. Les textes sur Wagner. 1a ed. Reims: Épure – Éditions et presses universitaires de Reims, 2015, p. 275-293.

2013

RUBIRA, Luís. “Nietzsche e os trágicos gregos: uma introdução ao estudo das fontes”. In: Fragmentum (UFSM), v. 38, p. 46-53, 2013.

RUBIRA, Luís (Org). Dossiê Nietzsche 2013 (In: Revista Dissertatio número 38). Pelotas: Editora Universitária/UFPel, 2013.

RUBIRA, Luís. “Do valor dos valores à fisiologia da arte: pressupostos para a compreensão de O caso Wagner e de Nietzsche contra Wagner. In: Dissertatio (UFPel), v. 38, p. 137-158, 2013.

RUBIRA, Luís. Liberdade da vontade e Fatum (tradução e comentário do texto do jovem Nietzsche). Estudos Nietzsche, v. 4, p. 230-32, 2013.

RUBIRA, Luís. “Platão”. In: Diário da Manhã, Pelotas/RS, p. 12-12, 02 abr. 2013.

2012

RUBIRA, Luís. “A afirmação trágica do eterno retorno nos Ditirambos de Dioniso”. In: Cadernos Nietzsche, v. 30, p. 183-220, 2012.

RUBIRA, Luís. “’Quem’ quer o eterno retorno do mesmo? sujeito, subjetividade, moral e amor fati em Nietzsche”. In: CARMOS, J.; SANTOS, R. (Org.). Ética, linguagem e antropologia: perspectivas modernas e contemporâneas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2012, v. 01, p. 229-243.

RUBIRA, Luís. “Para compreender o filósofo da suspeita (Nietzsche além dos clichês)”. In: Zero Hora, Caderno de Cultura, Porto Alegre, p. 02-02, 23 jun. 2012.

2011

RUBIRA, Luís; ARALDI, Clademir (Org.). Dossiê Nietzsche 2011 (In: Revista Dissertatio n. 33). Pelotas: Dissertatio – UFPel, 2011.

2010

RUBIRA, Luís. Nietzsche: do eterno retorno do mesmo à transvaloração de todos os valores. 1ª ed. São Paulo: Discurso Editorial/Editora Barcarolla, 2010.

RUBIRA, Luís. “Nietzsche: de la eternidad atemporal a la eternidad en el tempo”. In: Actas / Proceedings – Nietzsche – Conferencia international – El devenir de la vida. Santiago de Chile: Universid Diego Portales, 2010. v. 01. p. 01-08.

2009

RUBIRA, Luís. “Nietzsche: da tragédia grega à filosofia trágica”. In: Dissertatio (UFPel), v. 29, p. 249-269, 2009.

2008

RUBIRA, Luís. “O amor fati em Nietzsche: condição necessária para a transvaloração?”. In: Polymátheia (UECE), v. IV, p. 227-236, 2008.

2007

RUBIRA, Luís. “A recepção de Nietzsche no Peru. Entrevista com Kathia Hanza”. In: Cadernos IHU em Formação (UNISINOS), v. 15, p. 22-26, 2007.

RUBIRA, Luís. “Goethe e Keats em face da urna antiga: poesia como descrição ou interpretação?”. In: Sofia (Vitória), v. XII, p. 113-130, 2007.

2005

RUBIRA, Luís. “Uma introdução à transvaloração de todos os valores na obra de Nietzsche”. In: Tempo da Ciência (UNIOESTE), v. 12, p. 113-122, 2005.

2004

RUBIRA, Luís. “Vestígios das manhãs – notas acerca da filosofia de Nietzsche enquanto « tarde » de seus pensamentos”. In: Cadernos Nietzsche, v. 17, p. 41-56, 2004.

2002

RUBIRA, Luís. “Nietzsche durch das ohr”. In: Anais de ciencia musical – Akademie Brasil Europa Fur Kultur Und Wissenchaftswissenchaft, 2002.

2001

RUBIRA, Luís. “O critério de avaliação nietzschiano”. In: BARRENECHEA, M.A.; CASANOVA, M.A.; DIAS, Rosa; FEITOSA, Charles. (Org.). Assim falou Nietzsche III: para uma filosofia do futuro. Rio de Janeiro/RJ: Sete Letras, 2001, v. 01, p. 263-272.

2000

RUBIRA, Luís; ROSA, Ronel Alberti. Nietzsche pelos ouvidos (CD com composições de Friedrich Nietzsche). Porto Alegre: Edição dos autores, 2000.

2010

SALANSKIS, E. « Nietzsche et la fiction de l’inconditionné ». Nietzsche-Studien, v. 39, p. 309-332, 2010.

SALANSKIS, E. « Freud interprète: logique d’une expansion ». In: Patrick Wotling. (Org.). L’interprétation. Paris: Vrin, 2010, v., p. 119-143.

2009

SALANSKIS, E. « Wagner dans la vie de Nietzsche: une conversion suivie d’une apostasie ». In: Night of the Philosophy, 2008, Aix-en-Provence. Les cahiers de la Nuit de la philosophie. Aix-en-Provence: Centre Darius Milhaud, 2007. v. 2009. p. 25-44.

2021

SILVA JUNIOR, I. O lugar do ‘extemporâneo’ nos escritos de Nietzsche de 1888. In: Denat, C.; Wotling, P.. (Org.). Nietzsche. Les textes de 1888. 1ed.Reims: ÉPURE, 2021, v. 1, p. 93-100.

SILVA JÚNIOR, I. Notas sobre a construção de uma -química social- em. Cadernos Nietzsche, v. 42, p. 173-189, 2021.

SILVA JUNIOR, I. Metodologia para a recepção filosófica: o caso Nietzsche como exemplo. Eleuthería, v. 6, p. 255-270, 2021. 

2020

SILVA JUNIOR, I. Saúde, doença e eugenia em Nietzsche. In: Isabelle Wienand. (Org.). Die Frage Der Medizin in Nietzsches Philosophie / La Question De La Medecine Dans La Philosophie De Nietzsche (Beitrage Zu Friedrich Nietzsche). Basileia: Schwabe Ag., 2020, v. , p. 269-279.

 SILVA JUNIOR, I. Falsa polêmica por falso enquadramento: questão de método na leitura da filosofia nietzschiana feita por Losurdo. In: Azeredo, V.; Frezzatti, W.. (Org.). Nietzsche e seus intérpretes. Curitiba: Editora CRV, 2020, v. 3, p. 69-82.

SILVA JUNIOR, I. Cumprindo seu destino: a devastação perene no Brasil. Thomas Project, v. 4.2, p. 7-22-22, 2020.

2019

SILVA JUNIOR, I. Melhorando a humanidade: justificação das ideias de cunho eugênico em Nietzsche. ENUNCIAÇÃO – REVISTA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA DA UFFRJ, v. 4, p. 24-34, 2019.

2018

SILVA JUNIOR, I. Iluminismo aristocrático no período de Humano, demasiado humano. DISCURSO – DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA DA FFLCH DA USP, v. 48, p. 109-120, 2018.

SILVA JUNIOR, I. Escravidão, trabalho e ócio. Cult, São Paulo, p. 30 – 33, 01 jul. 2018.

2017

SILVA JUNIOR, I. Nietzsche et la politique de la domination. In: Céline Denat, Chiara Piazzesi. (Org.). Nietzsche pensatore della politica? Nietzsche pensatore del sociale? Pisa: Edizioni ETS, 2017, v. 1, p. 109-118.

SILVA JUNIOR, I. As posições políticas de Nietzsche em Humano, demasiado humano: um pensador das Luzes?. Humain, trop humain et les débuts de la réforme de la philosophie. Reims: Épure, 2017, v. , p. 381-388.

2016

SILVA JUNIOR, I. « daß zum Wesen einer Kultur das Sklaventhum gehöre ». In: Denat, C.; Wotling, P.. (Org.). Les premiers textes de Nietzsche sur les Grecs. Reims: Épure, 2016, v. 1, p. 395-404.

SILVA JUNIOR, I. Nietzsche e a política: extemporaneidade ou conservadorismo?. In: Paiva, Rita; Ibrahim Iskandir, Jamil. (Org.). Filosofemas. São Paulo: Ed UNIFESP, 2016, v. II, p. 489-499.

SILVA JUNIOR, I. Bom Europeu. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 131-132.

SILVA JUNIOR, I. Anarquismo. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 111-112.

SILVA JUNIOR, I. Burguesia. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 134-135.

SILVA JUNIOR, I. Demcracia. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 180-183.

SILVA JUNIOR, I. Estado. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 206-207.

SILVA JUNIOR, I. Igualdade. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 263-264.

SILVA JUNIOR, I. Liberalismo. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 283-294.

SILVA JUNIOR, I. Modernidade. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 307 – 309.

SILVA JUNIOR, I. Nacionalismo. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 319 -321.

SILVA JUNIOR, I.  Sentido Histórico. In: Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016, p. 377-378.

SILVA JUNIOR, I. Os livros publicados por Nietzsche: Para além de bem e mal. In: GEN – Grupo de Estudos Nietzsche. (Org.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Loyola, 2016, v. 1, p. 64-69.

SILVA JUNIOR, I. Dicionário Nietzsche. São Paulo/Porto Seguro: Loyola, 2016 (verbetes de dicionário)

2014

SILVA JUNIOR, I. Linguagem e moral em Nietzsche. In: Silveira Lima, Márcio José; Mota Itaparica, André Luís. (Org.). Verdade e linguagem em Nietzsche. Salvador: EDUFBA, 2014, v. I, p. 93-104.

SILVA JUNIOR, I. Conhecimento e relações de domínio em Nietzsche. In: Marton, S.; Constâncio, J.; Branco, M. J.. (Org.). Sujeito, décadence e arte. Nietzsche e a modernidade. Lisboa: Ediçoes Tinta da China, 2014, v. , p. 90-99.

SILVA JUNIOR, I. Lo svelamento della realità: note sulla teoria della conoscenza in Nietzsche. In: Stefano Busellato. (Org.). Nietzsche dal Brasile. Pisa: Edizioni ETS, 2014, v. , p. 41-55.

SILVA JUNIOR, I. Nietzsche, entre a arte de bem ler e seus leitores. Cadernos Nietzsche, v. 34, p. 17-31, 2014.

2013

SILVA JUNIOR, I. ‘Zeichensprache der Affekte’: le langage et la morale chez Nietzsche. In: Wolting, P., Denat, C.. (Org.). Nietzsche. Un art nouveau du discours. 1ed.Reims: Éditions et presses de l?université de Reims (Épure), 2013, v. 2, p. 159-173.

SILVA JUNIOR, I. Prefácio a Nietzsche e a condição pós-moderna. A extemporaneidade de um discurso, 2013. (Prefácio, Pósfacio/Prefácio).

SILVA JUNIOR, I. Quando a potência dá prova de espírito: origem e lógica da justiça segundo. São Paulo, 2013. (Tradução/Artigo).

2012

SILVA JUNIOR, I.; AZEREDO, VÂNIA DUTRA (Org.) . Nietzsche e a interpretação. São Paulo/Paraná: Humanitas/CRV, 2012.

SILVA JUNIOR, I. O comentário e seu passado: esboço de um capítulo da recepção brasileira da filosofia de Nietzsche. In: Vânia Dutra de Azeredo; Ivo da Silva Júnior. (Org.). Nietzsche e a interpretação. São Paulo/Paraná: Humanitas/CRV, 2012, p. 148-156.

SILVA JUNIOR, I. Un análisis metafórico de las cuestiones políticas en Nietzsche. Estudos Nietzsche, v. 12, p. 85-94, 2012.  

SILVA JUNIOR, I. Notas sobre a recepção de Nietzsche no Brasil. Lebrun e os operadores teóricos. Cadernos Nietzsche, v. 30, p. 121-134, 2012

2011

SILVA JUNIOR, I. Filosofia e cultura. Festschrift para Scarlett Marton. São Paulo: Barcarolla, 2011.

SILVA JUNIOR, I. Nietzsche: a igualdade e seu avesso. In: Barrenechea, Miguel Ange; Feitosa,Charles; Pinheiro, Paulo; Suarez, Rosana. (Org.). Nietzsche e as ciências, Rio de Jneiro: 7 Letras, 2011, p. 281-295.

SILVA JUNIOR, I. Nietzsche e conservadorismo romântico. In: André Martins, Homero Santiago e Luís Cesar Oliva. (Org.). As ilusões do eu: Spinoza e Nietzsche. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011, , p. 63-76.

SILVA JUNIOR, I. Nietzsche, sua filosofia dos antagonismos e os antagonismos de sua filosofia. São Paulo: Editora UNIFESP, 2011 (Orelha de livro).

2010

SILVA JUNIOR, I. Nietzsche: a liberdade e seu avesso. In: Rita Paiva. (Org.). Filosofemas. São Paulo: Editora da UNIFESP, 2010,  p. 103-120.

SILVA JUNIOR, I. A História como influxo. Sobre a interpregação de Céline Denat. Cadernos Nietzsche, v. 26, p. 53-62, 2010.

SILVA JUNIOR, I. Hermenêutica da inocência. Jornal de Resenhas, São Paulo, p. 15 – 15, 01 dez. 2010.

SILVA JUNIOR, I. Nietzsche, filósofo da cultura. Cult (São Paulo), São Paulo,  v. 149, p. 51 – 53, 01 ago. 2010.

2008

SILVA JUNIOR, I. Tropeços nacionalistas: Lutero na berlinda. Cadernos Nietzsche, v. 24, p. 43-57, 2008.

2007

SILVA JUNIOR, I. Em busca de um lugar ao sol. Nietzsche e a cultura alemã. São Paulo, Ijuí: Discurso Editorial, Editora da Unijuí, GEN, 2007.

Start typing and press Enter to search